Helena Castro, da ebankIT: “O grande desafio é manter a nossa identidade”

A fintech portuguesa ebankIT está a crescer e prepara-se para a internacionalização. Helena Castro, diretora de recursos humanos, garante que o maior desafio é manter a identidade da organização.

Helena Castro é a diretora de recursos humanos da ebankIT.Ricardo Castelo

Do zero. Helena Castro integrou a ebankIT em janeiro de 2018, para formar de raiz o departamento de recursos humanos. Numa empresa do setor das tecnologias de informação em franco crescimento e preparada para o mercado internacional, o maior desafio do presente e do futuro é garantir o envolvimento de todos os trabalhadores e a cultura da organização. “Quando falamos de crescimentos exponenciais e em curto espaço de tempo, o grande desafio é manter aquilo que é diferencial em nós: a nossa cultura, a nossa identidade, o nosso sentido de pertença e de equipa“, começa por contar à Pessoas Helena Castro, diretora de recursos humanos da ebankIT.

Apaixonada por matemática e ciências sociais, foi nos recursos humanos que encontrou a combinação perfeita e, na Adecco, em 2007, que teve o primeiro contacto com a área das TI, pela qual desenvolveu uma “afinidade” particular. “É uma área desafiante, que acaba por nos fazer procurar. Muitas das novas tendências acontecem primeiro na área das tecnologias da informação”, explica a responsável. Helena Castro passou ainda pela New Boston Select – que, mais tarde, deu origem à Randstad Technologies -, e, em 2015, trouxe para Portugal a QiBit, empresa especializada em recrutamento no setor de IT.

É natural que quando as pessoas se sentem bem, que fazem parte, o nível de produtividade é diferente. Para mim, é a única forma de coordenar pessoas.

Helena Castro

Depois de uma década ligada à consultoria de recursos humanos, sentiu vontade de abraçar um projeto pessoal quando surgiu o convite para formar o departamento de recursos humanos da ebankIT, na altura com 40 trabalhadores. Quase dois anos depois, Helena Castro tem a seu cargo os 90 pessoas, mas rejeita a designação de “gestora”. Prefere que a tratem por “coordenadora” e garante que o maior desafio é manter a identidade de uma empresa com “uma cultura muito própria”. “Temos o slogan ‘somos todos enbankIT’. Para mim é muito importante que as pessoas sintam que são parte dessa identidade, que tenham voz ativa dentro desta empresa e acho que temos conseguido mantê-la até agora. Somos uma software house, odiaria que nos tornássemos uma software factory“, realça.

A pandemia não teve um grande impacto para o negócio e, no confinamento, rapidamente adotaram o trabalho remoto. Para garantir o envolvimento dos trabalhadores e o onboarding dos recém-chegados, foram criadas dinâmicas à distância, através de encontros semanais por videochamada, workshops temáticos, team buildings, aulas de ioga e ginástica e até formação de inglês. “É natural que quando as pessoas se sentem bem, que fazem parte, o nível de produtividade é diferente. Para mim, é a única forma de coordenar pessoas”, refere.

Helena Castro conta ainda que a pandemia facilitou a contratação de profissionais e que, até ao final deste ano, conseguirá assegurar o objetivo anual de 15 novos colaboradores. Apesar de ser uma área onde a oferta não escasseia, a atração de talento na ebankIT faz-se através do “passa a palavra” e da referenciação de ex-trabalhadores, conta a responsável. “O mercado das tecnologias da informação, para o bem e para o mal, é um mercado muito pequeno, toda a gente se conhece. Para mim é importante que independentemente de as pessoas estarem connosco a trabalhar, a imagem que transmitam da ebankIT para o mercado seja a melhor possível”, sublinha.

No horizonte, Helena Castro vê o crescimento exponencial da empresa no mercado nacional e internacional e, por consequência, do departamento de recursos humanos. “Do ponto de vista macro, gostaríamos que tudo aquilo que temos planeado fosse concretizado, porque significaria que estaríamos exatamente no lugar em que queremos estar, sem planos B”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Helena Castro, da ebankIT: “O grande desafio é manter a nossa identidade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião