EDP recebe 113 milhões do BEI e do BPI para construir dois parques eólicos em Portugal

  • Capital Verde
  • 12 Janeiro 2021

O BEI apoia esta operação através de um ‘empréstimo verde’, cujas características estão em linha com os requisitos do programa Obrigações de Responsabilidade Ambiental (‘Climate Awareness Bonds’).

A EDP Renováveis anunciou esta terça-feira em comunicado que vai receber um financiamento de 112 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento (BEI) e do Banco BPI para construir em Portugal dois parques eólicos com uma capacidade instalada total de 125 MW, nos distritos de Coimbra e da Guarda.

No valor de 65 milhões de euros, o empréstimo do BEI será concedido através do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE) e completado com mais 47 milhões de euros do BPI.

A EDPR vai desenvolver, construir e operar dois parques eólicos de média dimensão: Tocha II, com uma capacidade instalada de 33MW, será construído no concelho de Cantanhede, distrito de Coimbra; e o parque eólico Sincelo, com uma capacidade instalada de 92MW, estará localizado no distrito da Guarda, nos concelhos de Pinhel e Guarda, no norte do país.” disse a empresa em comunicado, acrescentando que se prevê que estes projetos criem cerca de 560 empregos durante a fase de construção.

De acordo com a EDP, o BEI apoia esta operação através de um ‘empréstimo verde’, cujas características estão em linha com os requisitos do programa Obrigações de Responsabilidade Ambiental (‘Climate Awareness Bonds’). Assim, esta operação será incluída no portefólio de empréstimos financiados através da emissão destes títulos.

“Temos o prazer de contar com o apoio do BEI para o desenvolvimento de novos projetos, que vão contribuir para a concretização dos objetivos do Plano Nacional de Energia e Clima e das metas europeias, criando, ao mesmo tempo, mais de 500 empregos. Este projeto reforça o compromisso da EDP Renováveis com o setor renovável de Portugal e com a melhoria da qualidade de vida das gerações atuais e futuras, e consolida o nosso papel como líder de energias renováveis a nível mundial”, diz Rui Teixeira, CEO interino da EDP Renováveis.

“Este projeto emblemático reforça a nossa parceria com a EDP Renováveis e o compromisso do Banco na promoção da ação climática, do desenvolvimento económico e da coesão. Apoiar os objetivos de descarbonização de Portugal, ao mesmo tempo que promovemos o crescimento e a criação de emprego, é uma das principais prioridades do BEI. Se queremos tornar a recuperação económica pós-COVID verde e inclusiva, é fundamental promover o fornecimento de energia renovável e a sua ampla utilização pelo setor produtivo e pelos cidadãos”, destaca por seu lado Ricardo Mourinho Félix, vice-presidente do BEI, responsável pelas operações em Portugal.

“Este acordo entre o BEI e a EDPR, alicerçado no Plano de Investimento da Comissão Europeia para a Europa, é vencedor tanto para o ambiente, como para a economia. O financiamento, apoiado pelo Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos, vai gerar novos parques eólicos no oeste e norte de Portugal, ajudando o país a alcançar os seus objetivos energéticos ambiciosos e criando novo emprego no processo”, frisa Paolo Gentiloni, Comissário Europeu para a Economia.

“O BPI é, desde há muitos anos, parceiro do grupo EDP e esta operação da EDPR vem reforçar, uma vez mais, essa parceria. A adoção de critérios ESG- Environmental, Social and Governance – no lançamento de operações de investimento faz parte de uma nova tendência que terá uma relevância crescente, e muito importante, no futuro próximo. A participação nesta operação, em conjunto com o BEI – o que muito nos orgulha -, coloca o Banco BPI como uma entidade de referência no financiamento a empresas portuguesas, assente em princípios de sustentabilidade”, conclui Pedro Barreto, administrador do BPI.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP recebe 113 milhões do BEI e do BPI para construir dois parques eólicos em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião