Banca portuguesa tem o terceiro rácio de malparado mais alto da Zona Euro

Bancos portugueses continuam a reduzir o malparado, mas mantêm-se com o terceiro pior registo na Zona Euro. Por outro lado, são os que têm os rácios de capital mais baixos, segundo o BCE.

O crédito malparado continua a cair na banca portuguesa que, ainda assim, apresenta o terceiro rácio mais elevado na Zona Euro, segundo dados publicados esta quarta-feira pelo Banco Central Europeu.

Portugal atingiu um rácio de NPL (non performing loans) de 5,5% no final do terceiro trimestre de 2020, menos um ponto percentual face a dezembro de 2019. Apenas os bancos da Grécia e do Chipre registavam níveis mais elevados, com rácios de 28,8% e 14,3%, respetivamente.

Os dados surgem numa altura em que se antecipa uma subida do volume de NPL por causa da crise provocada pela pandemia e que os analistas consideram que poderá surgir com mais intensidade após o fim dos regimes de moratórias no crédito.

Portugal tem o 3.º rácio de NPL mais alto

Fonte: Banco Central Europeu

A nível da Zona Euro, o rácio de NPL fixou-se nos 2,8% em setembro do ano passado, apresentando já uma ligeira subida de 0,1 pontos percentuais face ao final de 2019. Com um rácio de NPL de 1,4%, os bancos luxemburgueses são quem apresenta os balanços mais “limpos” na região da moeda única.

Por outro lado, os bancos portugueses tinham os rácios de capitais mais baixos na Europa, ainda que tenha vindo a reforçar-se neste capítulo nos últimos anos. Só “ganha” à banca espanhola neste capítulo, segundo a informação prestada pelo supervisor europeu.

Apenas Espanha tem piores rácios de capital que Portugal

Fonte: Banco Central Europeu

Quanto às moratórias, Portugal tinha no final do terceiro trimestre 46 mil milhões de euros de crédito ao abrigo do regime que permite uma suspensão temporária das prestações dos empréstimos bancários, o correspondente a mais de 20% do total do stock de crédito. É um dos níveis mais elevados da região.

Na Zona Euro, o crédito sob moratória ascendia a 587 mil milhões de euros, menos 223 mil milhões face a junho.

Quanto aos empréstimos realizados às empresas através de esquemas de garantias públicas, que se destinam a apoiar a economia face ao impacto da pandemia, a banca do euro concedeu um total de 289 mil milhões de euros. Em Portugal, os bancos deram 5,8 mil milhões ao abrigo destas linhas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca portuguesa tem o terceiro rácio de malparado mais alto da Zona Euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião