Banca sob pressão. DBRS alerta para o malparado em Portugal

Agência canadiana alerta que os bancos em Portugal, Itália e Espanha têm elevados níveis de NPL e elevados rácios de NPL em comparação com outros países.

O negócio da banca europeia vai continuar sob forte pressão em 2021. Apesar da esperada recuperação da economia, o fardo do malparado irá pesar nas contas das instituições financeiras, segundo a agência de rating canadiana DBRS, que aponta especialmente para países como Portugal, Espanha e Itália.

“O outlook para a banca europeia mantém-se desafiante em 2021. Prevemos que a pressão verificada em 2020 sobre as receitas continue em 2021″, refere o relatório da DBRS, divulgado esta quinta-feira. “Dado o difícil ambiente em termos de receitas e os baixos retornos, reduzir os custos operacionais é uma clara prioridade e a pressão para aumentar ganhos irá provavelmente conduzir a mais consolidação doméstica em alguns países”.

A pandemia gerou uma profunda crise económica, que ainda não se materializou num agravamento dos non-perfoming loans (NPL) devido às medidas de apoio dos governos, como as moratórias e linhas de crédito com garantias de Estado. “Ainda assim, é claro que as perdas nos empréstimos vão aumentar quando o apoio dos governos terminar. A trajetória de NPL irá continuar a depender da dimensão das restrições económicas, impacto económico, bem como quaisquer medidas de apoio adicional“, alerta.

Os últimos dados disponíveis dizem respeito aos primeiros nove meses de 2020 e a análise da DBRS (que incluiu 40 bancos europeus, nomeadamente dois portugueses: a Caixa Geral de Depósitos e o BCP) indica que houve já um aumento dos níveis de NPL na Noruega, Alemanha e Países Baixos essencialmente porque a base era muito baixa.

No entanto, os países mais em risco não são esses. “Os bancos em Portugal, Itália e Espanha continuaram a reduzir os NPL no terceiro trimestre de 2020, mas estes países têm elevados níveis de NPL e elevados rácios de NPL em comparação com outros países europeus e acima da média da amostra“, sublinha a agência. “Tem havido uma larga proporção de devedores a retomar os pagamentos depois do final da moratória, mas a capacidade dos devedores de pagarem dependerá do choque económico de cada país”.

Portugal é o terceiro país da Zona Euro com mais malparado

O início de 2021 chegou com novos confinamentos numa série de países europeus, incluindo Portugal, pelo que é ainda incerto o impacto económico da pandemia. O alcance das restrições irá ter impacto na qualidade dos ativos e no custo de risco em 2021.

“Os níveis de capital continuam sólidos apesar dos fracos resultados. No entanto, prevemos que a deterioração da qualidade dos ativos em 2021 espolete um aumento dos ativos ponderados pelo risco. Além disso, a geração de capital interno poderá ser reduzido dados os resultados mais baixos e o recomeço do pagamento de dividendos”, acrescenta a DBRS.

O Banco Central Europeu (BCE) já emitiu uma recomendação aos bancos europeus para que estes evitem ou limitem a distribuição de dividendos até setembro do próximo ano. O regulador europeu pede que, a existir, a distribuição de dividendos não seja superior a 15% dos lucros acumulados entre 2019 e 2020.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca sob pressão. DBRS alerta para o malparado em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião