Presidenciais: Voto vai ser recolhido em lares, mas idosos têm de se inscrever

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2021

As pessoas idosas "têm de se inscrever para votar e essa inscrição é uma inscrição que (...) as instituições vão ajudar a fazer", disse a vice-presidente do Instituto de Segurança Social (ISS).

Os idosos residentes em lares podem votar para as presidenciais na instituição onde vivem, mas têm de se inscrever na plataforma do voto antecipado até 17 de janeiro, porque só assim o voto é recolhido, anunciou esta quinta-feira o Governo.

O secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, esclareceu, em conferência de imprensa, que as pessoas que vivam em Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI) “estão equiparados a confinados para efeitos do exercício de voto”. “Não é que elas estejam confinadas, mas para efeitos de direito de voto passam a ser considerados confinados e isso significa que vão poder votar nos mesmos moldes daqueles que estão verdadeiramente confinados e, portanto, significa que podem votar no sítio onde estão a viver habitualmente”, adiantou.

Antero Luís sublinhou que se trata de mais uma oportunidade de os idosos poderem votar que se soma às já existentes, nomeadamente o voto antecipado em mobilidade, no dia 17 de janeiro, ou ainda no dia 24 de janeiro, como qualquer outro cidadão.

A vice-presidente do Instituto de Segurança Social (ISS) esclareceu que as pessoas idosas que prefiram a opção de recolha de voto na instituição “têm de se inscrever na mesma na plataforma”. “Elas têm de se inscrever para votar e essa inscrição é uma inscrição que, estou certa, as instituições vão ajudar a fazer”, disse Catarina Marcelino.

A responsável referiu que o levantamento de informação anteriormente feito pelo ISS serviu apenas para que os serviços de saúde equiparem estas pessoas a confinados, de modo a que elas possam votar nas instituições.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidenciais: Voto vai ser recolhido em lares, mas idosos têm de se inscrever

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião