PSD critica manutenção de aulas presenciais em todos os graus de ensino

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2021

Os sociais-democratas esperavam que o Governo tivesse encerrado, "no mínimo dos mínimos", os estabelecimentos de ensino “a partir do sétimo ano de escolaridade”.

O deputado do PSD Ricardo Baptista Leite criticou esta quinta-feira as “meias medidas” anunciadas pelo Governo para combater a pandemia, considerando que a manutenção dos estabelecimentos de ensino abertos durante um confinamento generalizado é contraproducente.

“A razão pela qual estamos nesta situação, depois de quatro meses sucessivos de meias medidas, de medidas restritivas parciais no território nacional, resulta, primeiramente e principalmente, pela falta de preparação do outono e inverno”, considerou o deputado social-democrata Ricardo Baptista Leite, em declarações aos jornalistas no parlamento.

O confinamento generalizado da população, a partir de sexta-feira e pelo menos até 30 de janeiro, “é uma bomba atómica que se usa quando se desconhece o que é que se pode fazer de uma forma dirigida”, prosseguiu, considerando que se está a verificar, “mais uma vez, um conjunto de meias medidas, particularmente” no que diz respeito à “situação nas escolas”.

Ricardo Baptista Leite recordou que as últimas informações disponibilizadas pelas autoridades sanitárias, ao longo das últimas três semanas, apontam para um aumento no número de infeções pelo SARS-CoV-2 entre os 10 e os 19 anos e entre os 20 e os 29 anos.

Por isso, os sociais-democratas esperavam que, “no mínimo dos mínimos”, o executivo liderado pelo socialista António Costa tivesse encerrado os estabelecimentos de ensino “a partir do sétimo ano de escolaridade”.

“É a diferença entre conseguirmos conter esta pandemia em três, quatro semanas, ou podermos ver um arrastar de mais e mais medidas ao longo de semanas sucessivas, seis, oito semanas, o que tem consequências absolutamente devastadoras”, completou o deputado.

A manutenção das aulas presenciais em todos os graus de ensino é “contraproducente”, na mesma altura em que “se pede à economia para travar a fundo”, considerou.

Ricardo Baptista Leite defendeu que era preferível encerrar os estabelecimentos de ensino até 30 de janeiro e reavaliar o impacto desta decisão, ao nível da contenção dos contágios, daqui a duas semanas.

O social-democrata disse também que ainda não houve “da parte do Governo o reconhecimento de que o caminho trilhado até agora é o errado” e que não há garantias sobre o “que é que vai mudar a seguir”.

O Governo tem de “mudar radicalmente de estratégia” de modo a garantir que não vai haver um aumento substancial do número de infeções que obriguem a outro confinamento “por volta da Páscoa”, considerou.

Ainda assim, justificou, o PSD uniu-se ao PS para, mais uma vez, aprovar a renovação do estado de emergência porque “Portugal está, literalmente, entre a espada e precipício”.

“Se não fosse o PSD, se dependesse dos parceiros habituais do Governo [BE, PCP e PEV] estaríamos numa situação sem estado de emergência, o que impediria todas as medidas. Isso colocaria o país numa situação de sermos lançados pelo precipício abaixo”, completou.

Portugal contabilizou 148 mortes relacionados com a Covid-19 e 10.698 infeções nas últimas 24 horas, o valor diário de contágios mais elevado desde o início da pandemia, de acordo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD critica manutenção de aulas presenciais em todos os graus de ensino

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião