Centros comerciais recusam continuar a “suportar sozinhos os apoios aos lojistas”

O Governo apertou o cerco e decidiu que a restauração nos centros comerciais tem de encerrar, não podendo trabalhar, sequer, em regime de take-away.

Os restaurantes nos centros comerciais têm de encerrar, não podendo funcionar sequer em regime de take-away. Esta foi uma das medidas anunciadas esta segunda-feira pelo Governo, numa tentativa de evitar ajuntamentos à porta dos estabelecimentos. Os proprietários dos centros comerciais dizem compreender as medidas do Executivo, mas recusam continuar a “suportar sozinhos” os apoios dados aos lojistas.

A APCC relembra que os centros comerciais são ambientes seguros e controlados, onde não foram identificadas origens de surtos pandémicos, mas não deixa de manifestar a sua compreensão para a necessidade da adoção de medidas para o controlo da pandemia”, refere a Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC), em declarações ao ECO.

Na mesma resposta, a associação liderada por António Sampaio de Mattos refere ainda que “os centros comerciais estavam preparados para manter a atividade mas, como habitualmente, irão acatar as novas medidas impostas e cooperar com as autoridades para a implementação das mesmas“.

Contudo, a APCC apela ao Governo, afirmando que “chegou a altura de o Governo encarar este tema e encontrar soluções para ajudar a ultrapassar as dificuldades vividas pelos lojistas e pelos proprietários dos centros comerciais”. Isto porque, lê-se, “até hoje os centros comerciais têm suportado sozinhos os apoios aos lojistas e os efeitos desta crise pandémica, sem qualquer tipo de compensação”.

Desde o início da pandemia que os lojistas têm vindo a alertar para as fortes quebras nas vendas, o que levou o Governo a suspender o pagamento da renda fixa, ficando as lojas a pagar apenas a renda variável, ou seja, em função da faturação. Esta decisão levou os proprietários destes centros comerciais a apresentar queixa contra o Estado na Comissão Europeia.

Na semana passada, a APP emitiu um comunicado onde pedia ao Governo para que permitisse o normal funcionamento de “todas as atividades nos centros comerciais”, afirmando que “seria o mais prudente”. Agora, em resposta ao ECO, a associação afirma que “esta situação não pode manter-se”.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Centros comerciais recusam continuar a “suportar sozinhos os apoios aos lojistas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião