Justiça espanhola aprova liberdade condicional para ex-diretor-geral do FMI Rodrigo Rato

  • Lusa
  • 12 Fevereiro 2021

A Justiça espanhola deu luz verde à libertação condicional do ex-diretor-geral do FMI e antigo ministro da Economia, Rodrigo Rato.

A Justiça espanhola deu luz verde à libertação condicional do ex-diretor-geral do FMI e antigo ministro da Economia, Rodrigo Rato, depois de fazer uma avaliação da sua situação e das circunstâncias que o levaram à prisão.

Na proposta de liberdade condicional é valorizado o “prognóstico favorável de Rato”, que entrou na prisão “voluntariamente”, é “septuagenário”, teve um comportamento prisional “adaptado” e fez, de uma forma “positiva”, o programa de reintegração.

A comissão que elaborou o documento aprovado também toma em consideração a “antiguidade” dos acontecimentos pelos quais foi condenado e cuja responsabilidade civil pagou “integralmente”, bem como o comportamento que manteve durante a sua situação de semiliberdade.

Desde outubro do ano passado que Rodrigo Rato já se encontrava a cumprir um regime de semiliberdade e a ser controlado através de uma pulseira eletrónica.

O antigo diretor-geral do FMI e ex-ministro da Economia espanhol deu entrada na prisão em outubro de 2018 para cumprir uma pena de quatro anos e meio pelo seu envolvimento no escândalo financeiro dos “cartões black” do banco Caja Madrid.

O ex-banqueiro foi condenado em fevereiro de 2017 pelo desvio de fundos da Caja Madrid, que agora se chama Bankia, entidade a que presidiu de 2010 a 2012.

O escândalo dos “cartões black” (negro em inglês, a cor dos cartões de crédito) era um esquema que a Caja Madrid dava aos seus dirigentes e pessoas de confiança, para pagar despesas pessoais sem limite e sem declarar nada ao fisco.

Rodrigo de Rato foi membro do Partido Popular (direita), que o expulsou na sequência deste escândalo financeiro.

O economista foi vice-presidente e ministro da Economia do Governo de José María Aznar, entre 1996 e 2004, e diretor-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), de junho de 2004 até junho de 2007.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Justiça espanhola aprova liberdade condicional para ex-diretor-geral do FMI Rodrigo Rato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião