“Frankowicze” poderá passar fatura de 239 milhões ao BCP

Bank Millennium estima que o acordo proposto pelos reguladores polacos para resolver os créditos em moeda estrangeira poderá custar até 1,1 mil milhões de euros, abaixo das piores estimativas do BPI.

Um eventual acordo com as autoridades da Polónia para resolver o caso que ficou conhecido como “Frankowicze”, relativo a um conjunto de empréstimos para compra de casa que foram concedidos há mais de uma década em francos suíços, poderá custar entre 900 milhões a 1,1 mil milhões de euros ao Bank Millennium, o banco polaco do BCP BCP 0,09% .

Estas estimativas constam do relatório e contas anual do Bank Millennium citado esta terça-feira pela Bloomberg.

No mesmo documento, o banco polaco afirma que anular os créditos em moeda estrangeira e cujos contratos estão em tribunal poderá representar um custo de cerca de 530 milhões de euros.

Numa nota de análise a esta notícia, os analistas do CaixaBank/BPI referem que o impacto estimado do acordo com o KNF representa entre 20% a 25% da exposição original do Bank Millennium aos créditos hipotecários em moeda estrangeira. E sublinham que fica aquém das suas piores estimativas, as quais apontavam para um custo à volta dos 1,6 mil milhões de euros, cerca de 36% da exposição original.

Assumindo que as perdas totais equivalentes a 25% da exposição original aos créditos em francos suíços vão ser pagas ao longo dos próximos 15 anos, os analistas do CaixaBank/BPI estimam que isso se traduzirá num valor presente líquido (NPV) de 469 milhões de euros, dos quais 239 milhões de euros atribuíveis ao BCP.

O CaixaBank/BPI calcula ainda que a proposta do regulador para resolver o acordo poderá ter um impacto negativo entre 430-567 pontos base no rácio CET1 do Bank Millennium e um impacto negativo entre 115-152 pontos base no rácio CET1 do BCP. Em setembro de 2020, O o Bank Millennuim e o BCP apresentavam rácios CET1 de 16,5% e 12,4%, respetivamente.

Por outro lado, os 530 milhões de euros dos processos judiciais abertos poderão ter um impacto de 195 pontos base e 24 pontos base nos rácios CET1 do Bank Millennium e no BCP, respetivamente, segundo os analistas.

Ações do BCP em queda

Desde 2008 que o Millennium Bank não concede créditos em moeda estrangeira, embora ainda detenha uma carteira destes empréstimos no valor de cerca de três mil milhões de euros.

No ano passado, o banco polaco constituiu provisões de 677 milhões de zlótis (150 milhões de euros ) relacionadas com riscos legais associados à carteira de créditos hipotecários concedidos em moeda estrangeira, o que veio a penalizar os resultados da instituição. O BCP prepara-se para apresentar contas esta quinta-feira.

Em causa estão sobretudo empréstimos para a compra de habitação em francos suíços concedidos há mais de uma década, e que permitiu às famílias tirarem partido do fator cambial para disporem de melhores condições financeiras nos contratos. Porém, com o disparo da moeda helvética no mercado cambial que se assistiu posteriormente, muitos destes clientes viram os seus créditos agravarem-se para níveis impagáveis.

São vários os bancos polacos que estão a resolver este problema. O Santander Polska também revelou que um acordo com as autoridades polacas poderia custar cerca de 780 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Frankowicze” poderá passar fatura de 239 milhões ao BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião