Construtoras portuguesas viajam até Moscovo para conquistar mercado russo

Empresas portuguesas viajaram até Moscovo para participar na maior feira da Europa para o setor da construção. É das primeiras feiras presenciais desde o início da pandemia e o balanço é positivo.

Três empresas portuguesas do setor da construção viajaram até Moscovo para participar na MosBuild 2021, a maior feira da Europa para o setor da construção, que se realiza entre os dias 30 de março e 2 de abril. Para as empresas portuguesas, o balanço é “extremamente positivo”, o sentimento é de “esperança” e é uma “luz ao fundo do túnel”, tendo em conta que no ano passado esta feira não se realizou.

A opinião é unânime e para o tecido industrial português que viajou até à Rússia para marcar presença nesta feira, que decorre no Crocus Expo, o número de visitantes e expositores “até surpreendeu pela positiva” e o contacto físico é fundamental naquele que é o maior centro de exposições da Rússia e um dos maiores do Mundo.

A empresa de fabrico de artigo de mármore e de rochas similares, MVC – Mármores de Alcobaça, está presente neste certame e considera o “balaço positivo”. O sales manager da MVC, Ricardo Rebelo, afirma que o número de visitantes está a “surpreender pela positiva” e pela experiência que têm em edições anteriores, a feira está a ter “mais afluência”. Mesmo em tempos de pandemia, refere que estão a conseguir discutir com potenciais clientes como em outrora – antes da pandemia – e que “os russos estão muito à vontade no que respeita à pandemia” e que de certa forma até se “sentem um pouco mais livres olhando para o à vontade dos russos”.

Para o sales manager da MVC – Mármores de Alcobaça, empresa que emprega cerca de 30 colaboradores, o facto desta feira estar a realizar-se presencialmente é uma “luz ao fundo do túnel” e é “sinónimo da abertura de alguns mercados europeus”. Ricardo Rebelo ainda está com cautela e afirma que “só o tempo o dirá” tendo em conta que “estamos a assistir a novas vagas um pouco por toda a Europa”, mas tem esperança que tudo “melhore com o plano de vacinação”.

A AireLimestones, empresa de extração e transformação de pedra natural, também está presente na MosBuild 2021. Para o CEO da empresa, Licínio Cordeiro, o primeiro dia da feira “correu bem” e a “afluência foi normal para qualquer primeiro dia antes da pandemia”. O CEO da AireLimestones, que emprega 27 colaboradores e cresceu 10% o ano passado, corrobora a ideia de Ricardo Rebelo e destaca que o facto desta feira estar a realizar-se presencialmente “é uma luz ao fundo do túnel” e que o “sentimento é de esperança de que tudo volte ao normal”.

À semelhança da MVC, o CEO da AireLimestones refere que estão a “conseguir discutir novos projetos como antes da pandemia” e que na Rússia “parece que tudo está normal como antes da pandemia”.

A empresa Arcen Engenharia, que se dedica a produção, montagem e assistência de equipamentos de betão, agregados e asfalto e está localizada em Vila Nova de Gaia, também está presente nesta feira, mas o ECO não conseguiu receber as respostas da empresa em tempo útil.

Quanto aos cuidados a ter, as empresas destacam o uso da máscaras – que consideram como “uma peça indispensável”, a “desinfeção das mãos e do espaço”, assim como a “desinfetação das amostras antes de passar para a mão dos clientes”, “evitar trocar cartões-de-visita” e “apertos de mãos”.

Este ano, já é a segunda vez que a Associação Empresarial de Portugal (AEP) leva empresas portuguesas a feiras internacionais. A primeira feira presencial decorreu o mês passado no Dubai e superou as expectativas. Para o diretor da área internacional da AEP, Jorge Marcolino, a realização desta feiras significa que “estamos no bom caminho” e que se torna “cada vez mais necessário retomar muita da atividade económica e de abordagem aos mercados internacionais, que há mais de 12 meses se encontram condicionadas. As empresas precisam destas ações em mercados externos”, destaca.

Para Jorge Marcolino, que está a acompanhar esta comitiva a Moscovo, “a presença física, continua a ser indispensável” e o contacto presencial e a relação de proximidade “são os elementos que geram a confiança e são fundamentais para o negócio. Considera que o “bom caminho” terá de passar por retomar muita da atividade internacional e a participação em grandes certames especializados, como é o caso da MosBuild, em Moscovo”, afirma o diretor da área internacional da AEP.

Há 14 anos consecutivos, desde 2008, que a AEP organiza a participação portuguesa na MosBuild. Face ao cenário pandémico e para ser possível levar estas empresas a marcar presença nesta feira, a AEP teve de elaborar um conjunto de procedimentos de segurança, contratualizar seguros associados a cada participante e realizar testes PCR à entrada e à saída da Rússia.

Na última edição, em 2019, (em 2020 não se realizou), a MosBuild contou com participação de 1.200 empresas russas e 40 estrangeiras e recebeu 77 mil visitantes, de 65 países e de 81 regiões federais da Rússia.

O mercado russo de materiais de construção e de decoração de interiores continua a ter um enorme potencial. Nos últimos cinco anos, a Rússia construiu uma média de 94 milhões de metros quadrados de área residencial por ano, estando previsto atingir a meta dos 105 milhões m2/ano em 2021.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Construtoras portuguesas viajam até Moscovo para conquistar mercado russo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião