Estratégia para o hidrogénio está a criar uma “movida” junto de investidores

  • Lusa
  • 5 Abril 2021

No âmbito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), Portugal organiza na quarta-feira uma conferência sobre hidrogénio.

Portugal vai ser um país exportador de energia, apoiado no hidrogénio, uma estratégia que está a criar uma “movida” junto de investidores, afirma o ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes.

O Governo português aposta no hidrogénio como uma das formas de descarbonizar a economia, e a energia (obtida da água – formada por oxigénio e hidrogénio – por eletrólise) já é apontada como solução no Roteiro para a Neutralidade Carbónica e no Plano Nacional de Energia e Clima.

No âmbito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), Portugal organiza na quarta-feira uma conferência sobre hidrogénio.

A propósito da conferência, em entrevista à Lusa, o ministro explica porque entende ser o hidrogénio verde (porque obtido através de energias renováveis) a melhor aposta para o país, que vai deixar de fazer de Portugal um país tradicionalmente importador de energia para se tornar um exportador.

“Estamos neste momento em condições de poder pensar Portugal como um país que vai ser exportador de energia”, algo que vai acontecer não para já mas dentro de seis ou 10 anos. “Mas este é mesmo um caminho que temos e que devemos trilhar”.

Além de haver uma estratégia nacional para o hidrogénio, há também, salienta Matos Fernandes, uma estratégia europeia, e em Portugal o tema gerou uma “movida” junto dos investidores, portugueses e estrangeiros.

A “movida” justifica-a Matos Fernandes com factos, lembrando que quando Portugal lançou a primeira “call” do hidrogénio para saber quem eram os interessados em concorrer ao “Important Project of Common European Interest” (IPCEI), onde Portugal se juntou à Holanda, apareceram projetos já conhecidos mas também projetos em que nunca tinha ouvido falar. A empresa Bondalti, de Estarreja, candidatou um projeto (entre 74) de produção de hidrogénio verde de 2,4 mil milhões de euros.

“Nunca tínhamos ouvido falar dele. E ainda hoje lemos notícias nos jornais, de empresas que estão a desenvolver tecnologias, nomeadamente empresas portuguesas, para a produção de hidrogénio”, diz o ministro, concluindo que está apontado o caminho para a produção de hidrogénio verde de forma segura e barata.

Matos Fernandes justifica a aposta no hidrogénio porque se trata de um substituto dos combustíveis de origem fóssil, sendo que pode ter ainda outras aplicações, como ser utilizado como matéria-prima para a indústria ou ser utilizado como forma de armazenar eletricidade produzida a partir de fontes renováveis. E nem sequer é um gás novo, que já é utilizado por exemplo na refinação de combustíveis fósseis.

“Descarbonização não é sinónimo de eletrificação”, salienta o ministro, explicando que o país está cada vez mais eletrificado, nesta altura com 60% da eletricidade produzida a partir de fontes renováveis mas podendo, “com investimento e com ambição”, chegar aos 80% em 2030.

Mas “há um conjunto de processos onde a eletricidade não basta ou não é custo-eficaz”, diz, apontando como os transportes pesados.

Se um camião pode fazer 500 quilómetros com baterias elétricas, de lítio, “essas baterias seriam tão pesadas que era quase um contrassenso”, porque uma parte da energia consumida era também a transportar as próprias baterias.

É aqui que entra o hidrogénio. Como entra na indústria química, onde a eletricidade não tem a intensidade energética necessária para um conjunto de processos industriais, ou na substituição de gás natural, com vantagens nomeadamente na balança comercial, evitando “centenas de milhões de euros” de importações.

Por isto, e porque “descarbonização não é sinónimo de eletrificação”, o hidrogénio tem uma estratégia própria para completar a eletrificação, para que Portugal “cumpra o objetivo maior que é ser neutro em carbono em 2050”.

Num futuro em parte movido a hidrogénio, Matos Fernandes considera que “faz todo o sentido” que cada estação de serviço tenha uma produção própria, porque “o projeto do hidrogénio é mesmo um projeto que tem uma componente territorial espalhada país fora”.

A Estratégia para o Hidrogénio (apresentada em 2020) preconiza que até 2030 existam entre 50 a 100 postos de abastecimento de hidrogénio, “muitos deles” com produção própria, preconiza.

E de caminho lembra que a estratégia portuguesa para os gases renováveis passa pelo hidrogénio mas também pelo biogás, já hoje a fazer funcionar camiões do lixo em Trás-os-Montes.

Refere igualmente a intenção de criar um “cluster” de hidrogénio em Sines, a pensar na exportação e para o qual já há sete projetos identificados, em busca de financiamento, parte deles a partir de Bruxelas, porque são fundos de grandes dimensões que o país não consegue suportar.

“Estamos a falar de sete mil milhões de euros. E Bruxelas, porque há uma estratégia europeia para o hidrogénio, tem fundos próprios”.

Portugal também vai apoiar projetos nesta área mas reserva entre 400 e 500 milhões de euros para produção de gases renováveis, ao longo de 10 anos. O primeiro aviso até já foi lançado e o apoio máximo é de cinco milhões de euros, naturalmente não aplicável aos projetos de Sines, alguns deles de mais de mil milhões de euros.

Matos Fernandes aceita que tudo isto é novo, que o hidrogénio “ainda tem alguns passos para dar”, que hoje ainda é mais caro do que o gás natural. Mas acredita que com a “maturidade da tecnologia” e a aplicação de taxas de carbono no gás natural a situação se vai inverter.

E enquanto isso não acontecer, “com o único objetivo de proteger os consumidores do preço, queremos também apoiar de forma transparente, e por leilão, uma parte dessa diferença, sendo que obviamente só apoiaremos num leilão a ser lançado quem nos pedir menos, isto é, quem já produzir mais barato”, avisa.

Colocar hidrogénio verde na rede de gás natural em Portugal é fácil, porque há uma rede nova e preparada para tal, especialmente a rede domiciliária, havendo limitações é nos equipamentos pessoais.

Ainda assim, diz, ainda que se substitua até 03% do gás natural por hidrogénio significa poupar cerca de 500 milhões de euros nas importações a 10 anos. Portugal quer chegar a 2030 com a substituição de 15% do gás natural.

E colocar hidrogénio verde em navios? Aviões? Grandes consumidores de energia como cimenteiras? Matos Fernandes responde que a evolução da tecnologia tem trazido boas surpresas, que tudo está a acontecer muito depressa. Fala do encerramento antecipado das centrais a carvão, da refinaria de Matosinhos.

“Por isso aquilo que virá a ser o escalar da tecnologia do hidrogénio eu não consigo adivinhar e acho que é difícil poder ser adivinhado”. Certo é que, por exemplo, nos autocarros, com os próximos fundos comunitários, os apoios vão ser apenas para autocarros elétricos, de bateria, ou elétricos com injeção de hidrogénio.

Mas se não adivinha o que será o futuro, o ministro não tem dúvidas do quanto é “importante estar na linha da frente”, o importante existir ciência portuguesa, existir patentes portuguesas e existir em Portugal essa passagem do hidrogénio para uma escala industrial.

E o país tem um microclima muito próprio para desenvolver este tipo de projetos. Matos Fernandes lembra que 70% do custo da produção de hidrogénio é energia, que tem de ser renovável para ser hidrogénio verde.

“E o preço que tivemos na produção de eletricidade, nos últimos dois leilões, e em que batemos dois recordes do mundo, coloca Portugal numa posição absolutamente invejável”.

Ou seja, com energia a pouco mais de 11 euros o megawatt/hora, contra os habituais 45 a 55 euros no mercado ibérico, “é mesmo possível produzirmos hidrogénio verde a um valor que nenhum país da Europa do Norte consegue produzir”.

Portugal, com as energias renováveis, já criou 10 mil empregos, e nos cenários para 2050, o mais provável para ser possível a descarbonização é também aquele em que a economia mais cresce.

Matos Fernandes diz mesmo que as grandes apostas de desenvolvimento económico para o país estão no Ministério do Ambiente, porque são muito ligadas à energia.

A descarbonização também é importante por isso. Mas Matos Fernandes adianta outro motivo, muito mais importante. Porque é dela que depende “a sobrevivência de todos nós neste planeta”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estratégia para o hidrogénio está a criar uma “movida” junto de investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião