Revolut passa a permitir aos colaboradores trabalhar do estrangeiro até 60 dias por ano

Esta política integra uma estratégia bem mais abrangente, que tem como objetivo tornar a organização mais flexível.

A Revolut anunciou que vai passar a permitir aos colaboradores trabalhar a partir de qualquer parte do mundo, até 60 dias por ano. Este é mais um passo no compromisso da plataforma financeira global com a promoção do trabalho flexível.

“Quando as restrições com viagens forem levantadas – e tendo sempre em consideração as indicações das autoridades nacionais de saúde -, os colaboradores da Revolut terão a possibilidade de trabalhar, temporariamente, a partir de uma localização diferente do país da sua residência fiscal/contratual”, avança a empresa em comunicado.

A nova política de trabalho temporário no estrangeiro foi lançada para acomodar as necessidades da força de trabalho maioritariamente internacional da Revolut, com os colaboradores a desejar a possibilidade de visitar familiares ou os seus países de origem com maior frequência ou durante períodos mais longos. “À medida que a Revolut abraça a diversidade cultural do seu staff, a fintech permite também que os funcionários passem tempo de qualidade além fronteiras”, lê-se.

Assim, os colaboradores podem agora submeter pedidos para trabalhar fora do país, por motivos pessoais, durante até 60 dias, ao longo de um período de 12 meses.

"Os nossos colaboradores pediram flexibilidade e é isso que lhes estamos a dar, mantendo foco na experiência e poder de escolha dos colaboradores.”

Jim MacDougall

Vice-presidente de people na Revolut

Para Jim MacDougall, vice-presidente de people na Revolut, esta política vai ser um “enorme sucesso”, na medida que elimina fronteiras nos serviços financeiros. “Os nossos colaboradores pediram flexibilidade e é isso que lhes estamos a dar, mantendo foco na experiência e poder de escolha dos colaboradores”, afirma.

Nova estratégia de imobiliário anunciada este ano

Esta nova política integra uma estratégia bem mais abrangente, que tem como objetivo tornar a organização mais flexível. Em fevereiro, a Revolut anunciou que vai adotar um modelo híbrido de trabalho, suportado pela implementação de RevLabs, que são escritórios desenhados para o trabalho colaborativo.

Em resposta à vontade expressa pelos colaboradores, a Revolut permite agora à larga maioria dos seus funcionários escolher quando e com que frequência trabalham a partir de casa ou do escritório. Este modelo híbrido é um piloto e deverá estar integralmente implementado no final deste ano.

De acordo com inquéritos internos da Revolut, os funcionários responderam positivamente ao trabalho remoto durante a pandemia. Mais de 56% prefeririam trabalhar em casa entre quatro a duas vezes por semana, enquanto 36% gostariam de uma política 100% remota. Contrariamente, apenas 2% dos colaboradores inquiridos preferem trabalhar no escritório todos os dias.

Além disso, a quase totalidade dos funcionários da Revolut (95%) considera que trabalhar em casa não afetou a sua produtividade, nem mesmo o desempenho da equipa, com 97% a assumir nenhuma mudança ou uma mudança positiva.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Revolut passa a permitir aos colaboradores trabalhar do estrangeiro até 60 dias por ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião