Portugueses aprenderam a reciclar há 21 anos. Ainda se lembra do Gervásio?

  • Capital Verde
  • 12 Maio 2021

A Sociedade Ponto Verde comemora 25 anos e relembra os anúncios do passado. Quanto ao presente, descobriu que plena pandemia as famílias produziram mais resíduos em casa mas também reciclaram mais.

Corria o ano de 2000 — ainda a internet ainda dava os primeiros passos em Portugal e as redes sociais eram uma miragem — quando surgiu no ecrã das televisões das famílias portuguesas uma das campanhas publicitárias que mais marcou toda uma geração. O anúncio mostrava o simpático e prestável chimpanzé Gervásio, que numa experiência em laboratório apreendia a reciclar e a separar o papel, o plástico e o vidro pelos ecopontos das diferentes cores — azul, amarelo e verde, respetivamente. E em apenas uma hora e 12 minutos. No fim, era lançada a provocação: “E você, de quanto tempo mais é que vai precisar?”

Foi desta forma que, de uma forma pouco convencional, a Sociedade Ponto Verde “passou a bola” aos portugueses no que à reciclagem diz respeito: se até um chimpanzé consegue fazê-lo… Uma espécie de estratégia para “envergonhar” os espetadores que parece ter dado frutos, mais de duas décadas depois.

E o que estão hoje os portugueses a fazer em matéria de reciclagem? Para começar, durante o último ano, e em plena pandemia de Covid-19, passaram a produzir mais resíduos em casa, no entanto “estão também preocupados em acompanhar esse aumento com a respetiva separação e reciclagem”, revela o inquérito “Radar da Reciclagem” da Sociedade Ponto Verde.

Realizada em parceria com a Marktest, esta análise veio agora mostrar que 46,4% dos portugueses reciclam mais, comparativamente com o ano anterior, o que se justifica pela maior quantidade de resíduos produzidos em casa (quase metade dos inquiridos afirma ter mais lixo) e também a maior disponibilidade de tempo para fazer a separação e reciclagem.

Mostra a pesquisa que as embalagens familiares de cartão para alimentos líquidos — por exemplo pacotes de leite e sumos — são apontados como os resíduos com maior aumento (57,9%) no último ano, seguidos das embalagens de vidro (44,4%) e das embalagens de cartão, associadas ao aumento das compras online (36,3%).

“Os últimos meses vieram mostrar que as alterações na rotina dos portugueses, em consequência do contexto pandémico, traduziram-se em mudanças nos comportamentos de consumo, com consequentes impactos na gestão de resíduos nos lares portugueses”, explica Isabel Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde, em comunicado.

Quanto à gestão dos resíduos associados ao contexto pandémico, como máscaras, luvas descartáveis e toalhitas desinfetantes, o “Radar da Reciclagem” mostra que a maioria dos portugueses (74%) sabe que tem de colocar esses materiais no contentor de lixo indiferenciado.

As luvas descartáveis são as que mais causam diferença de opiniões quanto ao contentor em que devem ser colocadas: 58,6% dos inquiridos considera que, depois de usadas, as luvas descartáveis devem ir para o lixo indiferenciado (que é a opção correta), 21,8% diz que devem ir para o ecoponto amarelo e 11,3% admite ter dúvidas onde as colocar. A mesma incerteza também existe na reciclagem das máscaras, uma vez que há 13,1% de portugueses que não sabe como o deve fazer fazer.

Campanhas de reciclagem em revista

Para assinalar a data, está também a ser divulgada a série “Campanhas que mudaram Portugal”, que apresenta as icónicas campanhas da SPV feitas ao longo dos últimos anos e que marcaram os portugueses e os seus hábitos de reciclagem. E se no primeiro ano a viagem no tempo é até ao ano 2000, com o chimpanzé Gervário, no segundo episódio o regresso é a 2007/2008, “altura em que os criativos por detrás da comunicação da SPV se tornaram convictos de que as crianças, em representação do futuro, têm um papel muito eficaz quando o objetivo é sensibilizar uma sociedade a adotar novos hábitos de reciclagem”.

Esta série, dividida em quatro episódios, relembra os distintos ganchos de comunicação que a Sociedade Ponto Verde criou ao longo de mais de duas décadas, com o propósito de alterar as rotinas da população portuguesa no que toca ao tratamento e separação dos resíduos domésticos.

O primeiro e segundo episódios já estão disponíveis no Empower Brands Channel, o canal oficial da Empower Brands Community, criadora desta série, no YouTube. O terceiro estreia no final de maio e o último será em junho.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugueses aprenderam a reciclar há 21 anos. Ainda se lembra do Gervásio?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião