Dia do Ambiente. Do ruído à reciclagem, 10 números ambientais a melhorar em Portugal

  • ECO
  • 5 Junho 2020

A associação ambientalista Zero escolheu 10 números que, na sua análise, devem ser alvo de mudança urgente. Saiba quais são.  

O que falta ainda fazer em Portugal? A pergunta é lançada pela Zero esta sexta-feira, 5 de junho, data em que se assinalada o Dia Mundial do Ambiente. Em resposta, a associação ambientalista escolheu 10 números que, na sua análise, devem ser alvo de mudança urgente. Saiba quais são.

1. Poluição atmosférica

Média anual de dióxido de azoto (NO2) na Av. da Liberdade, Lisboa em 2019: 55 mg/m3

O limite legal é de: 40 mg/m3
Recomendação: As cidades têm de aplicar fortes medidas de restrição do tráfego automóvel e de promoção do transporte público e modos suaves para melhorar significativamente a qualidade do ar.

2. Ruído

Ruído noturno medido no Campo Grande, Lisboa: 66 dBA (decibéis)

Limite legal: 55 dBA
Recomendação: O ruído tem consequências gravíssimas para a saúde pública e há um incumprimento generalizado da legislação. É preciso ter a coragem de mudar o aeroporto Humberto Delgado. Medições feitas no Campo Grande durante 48 horas em julho de 2019 mostraram valores 11 dBA acima do limte.

3. Emissões poluentes

Percentagem de emissões de gases de efeito de estufa dos transportes em 2018: 25,6%

Recomendação: Com a diminuição das emissões de carbono das centrais térmicas, o transporte rodoviário será o grande protagonista se não forem tomadas medidas estruturantes na mobilidade.

4. Desperdício de água

Desperdício de água no setor urbano: 30%

Meta para 2020: 20%
Recomendação: O Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água termina em 2020 e as metas nos setores urbano, industrial e principalmente agrícola, não vão ser cumpridas, Com secas mais intensas e frequentes, precisamos de um Programa renovado e efetivamente implementado com metas para 2025/2030.

5. Reciclagem

Reciclagem de plástico em Portugal em 2018: 12%

Recomendação: Em 2018 só se reciclaram 72 mil das 600 mil toneladas de plástico produzidas nas casas dos portugueses. É urgente reduzir a produção de plástico e garantir que produtos e embalagens que entrem no mercado acabam reciclados e não em aterros ou incinerados.

6. Resíduos

Produção anual de resíduos por habitante em 2018: 507 kg

Meta para 2020: 410 kg/hab./ano
Recomendação: Valor real da produção tem aumentado todos os anos. Portugal tem de implementar medidas concretas de redução e de reutilização para alterar este descalabro. O país tem de transpor três diretivas europeias (resíduos, embalagens e
deposição em aterro) até julho; existe uma clara oportunidade para alterar o paradigma do descartável.

7. Amianto

Número de edifícios públicos já objeto de retirada de amianto: 296

Edifícios públicos com amianto: 3855
Recomendação: É necessário que a lista de edifícios públicos com amianto seja divulgada, cumprindo a Lei n.º 2/2011, para que se possa compreender o problema e proceder à erradicação do amianto até 2032 (meta da Comunidade Europeia) nesta tipologia de edifícios.

8. Painéis solares

Energia a fornecer por sistemas solares térmicos: 91 ktep (tonelada equivalente de petróleo)

Meta PNAER 2020: 108 ktep
Recomendação: Portugal tem um enorme potencial para o uso da energia solar, não apenas na produção de eletricidade mas na água quente sanitária e estamos muito aquém dos objetivos traçados, ficando aquém em 17 milhares de toneladas equivalentes de petróleo.

9. Animais em extinção

Espécies ameaçadas de extinção: 456
Recomendação: Este é o número de espécies ameaçadas em Portugal, incluindo as plantas. É urgente que Portugal coloque em prática planos de conservação para espécies ameaçadas como o lobo-ibérico ou algumas aves necrófagas. O programa de recuperação do lince-ibérico mostrou até ao momento que é possível ter êxito.

10. Florestas

Área florestal pertencente a proprietários privados: 87%

Recomendação: São 400 mil os proprietários privados e a dimensão média das propriedades é inferior a 1 hectare em dois terços do país, principalmente a norte do rio Tejo, onde se regista a maior parte da área ardida. A gestão conjunta de espaços florestais é fundamental para aumentar o rendimento dos proprietários florestais e fomentar a plantação de espécies autóctones.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dia do Ambiente. Do ruído à reciclagem, 10 números ambientais a melhorar em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião