Custo do trabalho sobe 7% com aumento do número de empresas em lay-off

Num trimestre marcado pelo aumento das empresas em lay-off, o índice do custo do trabalho subiu 7% por força, sobretudo, da redução das horas trabalhadas.

Nos primeiros três meses do ano, o custo do trabalho disparou 7%, face ao período homólogo, sobretudo por causa da redução das horas trabalhadas, indica, esta sexta-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE). O arranque de 2021 ficou marcado pelo agravamento da pandemia e pela consequente passagem do país a confinamento, o que resultou num aumento do número de empresas em lay-off, regime que permite o corte dos horários de trabalho.

No primeiro trimestre de 2021, os custos salariais por hora efetivamente trabalhada aumentaram 7,6%, à boleia, diz o INE, da subida dos salários base, prémios e subsídios regulares e irregulares, o que, por sua vez, se explica, pelo menos em parte, pela destruição dos empregos com remunerações mais baixas.

Já os outros custos subiram 4,3%, entre janeiro e março, uma variação menos acentuada do que a da componente salarial, diferença que resulta da diminuição ou isenção do pagamento das contribuições sociais patronais das empresas que aderiram ao regime de lay-off simplificado ou ao apoio à retoma progressiva. Ou seja, neste caso, o efeito da redução das horas trabalhadas foi mitigado pelo “desconto” nas contribuições sociais implicado nos regimes extraordinários de apoio ao emprego.

Além disso, o custo médio por trabalhador subiu 1,9%, num trimestre em que as horas efetivamente trabalhadas caíram 4%, por força do encerramento temporário de muitas empresas e, consequentemente, pela adesão de um maior número de empregadores a regimes de lay-off (nomeadamente lay-off simplificado, apoio à retoma progressiva e lay-off tradicional).

O INE explica que essa redução das horas trabalhadas por trabalhador foi transversal a todas as atividades económicas e foi mais acentuada do que se tinha verificado no trimestre anterior, com exceção das atividades do setor público, nas quais o decréscimo foi menos acentuado, no arranque de 2021.

Por outro lado, na nota divulgada esta sexta-feira, é detalhado que no privado o índice de custo do trabalho cresceu 9,2% (com destaque para a indústria e para os serviços, com saltos de 9,4% e 9,3%, respetivamente), enquanto que no público aumentou apenas 3%, isto é, verificou-se um acréscimo homólogo “muito inferior” no emprego do Estado.

(Notícia atualizada às 12h05)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Custo do trabalho sobe 7% com aumento do número de empresas em lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião