Governo investe 352 milhões na compra de seis navios de patrulha oceânicos

Governo aprovou a realização de despesa para a aquisição de seis navios de patrulha oceânicos da classe "Viana do Castelo". A despesa associada é de 352 milhões, adiantou ministro.

O Governo deu “luz verde”, esta quinta-feira, à realização de despesa tendo em vida a aquisição de seis novos navios de patrulha oceânica. De acordo com o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, está em causa uma despesa de 352 milhões de euros, que deve ser entendida como um investimento, disse.

“O Governo autorizou a realização de despesa tendo em vista a execução do programa de aquisição de seis navios de patrulha oceânicos da classe ‘Viana do Castelo’ destinados à Marinha Portuguesa“, anunciou ministra, em declarações aos jornalistas, após a reunião de Conselho de Ministros.

João Gomes Cravinho detalhou, depois, que se trata de um programa de aquisição que já estava previsto na lei de programação militar de 2019 e que “representa uma despesa de 352 milhões de euros”, ao longo de oito anos. De total, 283 milhões de euros serão para a construção dos navios e os restantes 69 milhões para os equipamentos e para a fiscalização do processo de construção.

Segundo explicou o ministro, no que respeita à construção desses navios, haverá um concurso seguido de um processo de negociação. “Haverá um elevado grau de retorno para a nossa economia“, adiantou, estimando que este programa implicará várias subcontratações das quais poderão beneficiar as empresas portuguesas.

Gomes Cravinho avançou também que o programa vai começar já em 2021 e deverá estender-se até 2029, sendo que “a entrega do primeiro navio está prevista para o final de 2023“. Depois dessa data, os navios deverão ser entregues anualmente até 2029, com exceção do ano de 2025.

Em causa estão navios militares destinados ao controlo do espaço marítimo sob jurisdição portuguesa, mas têm também capacidades para uso civil, nomeadamente para busca e salvamento, controlo de pescas, combate à poluição e combate ao narcotráfico.

O ministro Gomes Cravinho salientou ainda que esta aquisição “vai representar também um importante estímulo para as indústrias de defesa”. “As indústrias de defesa, na medida em que representam empregos qualificados, representam um importante contributo para o PIB e para as nossas exportações“. O responsável explicou, assim, que estas indústrias têm um “efeito multiplicador significativo para a nossa economia”.

O ministro da Defesa adiantou também que, neste momento, o país conta com “duas fragatas perfeitamente operacionais” e quatro navios de patrulha oceânicos da mesma classe que os que serão agora adquiridos. “A Marinha está bem equipada e vai ficar muito bem equipada com estes novos navios“, disse o mesmo.

No Twitter, também o primeiro-ministro fez questão de destacar a aprovação feita em Conselho de Ministros: “Era difícil o país celebrar melhor o Dia da Marinha 2021! O Conselho de Ministros aprovou hoje [esta quinta-feira] a resolução que autoriza a realização de despesa com vista à execução do Programa de Aquisição de seis Navios de Patrulha Oceânica da classe Viana do Castelo”, escreveu António Costa.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo investe 352 milhões na compra de seis navios de patrulha oceânicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião