Emprego nos EUA puxa por Wall Street

Os principais índices norte-americanos iniciam esta quarta-feira em alta. O industrial Dow Jones é o que mais sobe, 0,58%, para 34.522.31 pontos.

As principais praças europeias começaram esta quinta-feira a negociar junto da linha d’água, mas em Wall Street a sessão inicia-se em terreno claramente positivo. A puxar pelas bolsas norte-americanas estão os dados do emprego nos Estados Unidos, onde os pedidos de subsídio de desemprego semanais caíram para o nível mais baixo desde que começou a recessão causada pela pandemia.

Depois de terem fechado ligeiramente em alta na última sessão, os principais índices seguem essa tendência positiva. O tecnológico Nasdaq cresce 0,04%, para os 13.743,61 pontos, e o índice de referência S&P 500 sobe 0,26%, para 4.206,88 pontos. Já o industrial Dow Jones, que é o que tem melhor desempenho neste momento, aumenta 0,58%, para 34.522.31 pontos.

O crescimento da inflação tem vindo, nos últimos tempos, a preocupar os investidores, que têm vindo a acompanhar de perto os indicadores da atividade económica para tentarem compreender quando é que o estímulo monetário do Fed poderá começar a ser reduzido. Esta quarta-feira, soube-se que os pedidos de subsídio de desemprego semanais nos Estados Unidos atingiram o nível mais baixo desde o início da pandemia, o que indica a existência de uma regeneração do mercado de trabalho nacional.

Efetivamente, na semana que terminou a 22 de maio, registaram-se apenas 406 mil novos inscritos para receber subsídio de desemprego, de acordo com os dados agora divulgados e noticiados pelo The Wall Street Journal (acesso pago, conteúdo em inglês). Uma redução face à semana anterior, em que tinham sido comunicados 444 mil novas pessoas nesta situação — valor que era, na altura, o mais baixo desde o início da recessão provocada pela Covid-19.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Emprego nos EUA puxa por Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião