Desde o início da pandemia que não havia tão poucos aviões em terra

Há mais aeronaves no ar com o recuo nas restrições e a retoma do turismo de verão. Nos primeiros cinco meses de 2021, a TAP transportou 876.611 passageiros, tendo maio sido o melhor mês do ano.

Um avião só gera receitas quando está a voar e, pelo contrário, representa custos enquanto está em terra pelo que as companhias aéreas tentam maximizar o tempo no ar. Nos últimos meses, com as restrições à circulação, estas empresas foram obrigadas a estacionar as aeronaves estando no início do mês quase 3.400 nesta situação. É, no entanto, o valor mais baixo desde o início da pandemia.

“Com o início do verão de 2021, a suave recuperação dos voos está a fazer com que mais aeronaves voltem ao serviço: mais de 800 desde o início de maio, deixando os nossos aeroportos com o menor número de aviões inativos desde o início da pandemia. É um bom sinal para o verão que se aproxima“, refere um relatório da Eurocontrol sobre a atividade aeroportuária na Europa.

Os 3.384 aviões parados a 1 de junho (na média semanal) comparam com 4.931 em fevereiro, mês em que a situação foi mais agravada. No verão passado, o mínimo tinha sido de 3.575 registado a 1 de setembro de 2020. No pico da pandemia, cerca de 7.200 aviões estavam “adormecidos”, a ocupar pátios, parques e até pistas.

Aviões inativos podem dizer respeito a aviação executiva, jatos privados, que não voam necessariamente todas as semanas, aparelhos em manutenção ou reparo ou mesmo alguns que foram recentemente aposentados e ainda não tiveram destino. Há sempre uma sazonalidade natural nesta questão, mas tem sido principalmente a pandemia a determinar as alterações.

“A recuperação parcial do tráfego no verão de 2020 permitiu que alguns desses aviões inativos voassem novamente e o número total diminuísse para pouco mais de 3.500. Mas a segunda vaga de Covid-19 de inverno na Europa levou muitas dessas aeronaves de volta a terra e, embora a temporada de Natal tenha melhorado a situação, novas restrições de viagem com a terceira onda de Covid-19, no início de 2021, empurraram o número de inativos de volta para quase 5.000“, explica.

A nova aproximação do verão ajudou nesta retoma em maio. Ainda assim, nenhum dos números é comparável a níveis pré-pandemia, quando a média semanal era inferior a 1.500, segundo dados da associação que representa o setor a nível europeu.

Fonte: Eurocontrol

Passageiros transportados pela TAP em máximos deste ano

A recuperação do setor da aviação faz-se sentir não só no número de aviões em terra ou no ar, mas também pelo número de passageiros que viajam. Este indicador tem vindo a aumentar desde março e o total de pessoas que passaram pelos aeroportos portugueses nos primeiros cinco meses do ano atingiu os 2.843.682, o que fica ainda assim 67% abaixo do registado em 2020, segundo dados divulgados esta terça-feira pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

Olhando para as companhias aéreas, entre janeiro e maio, a TAP transportou 876.611 passageiros, tendo maio sido o melhor mês. Após as 253 mil pessoas que viajaram na TAP em janeiro, o agravamento da pandemia (e a disseminação de estirpes mais contagiosas do novo coronavírus) levou vários países a fecharem fronteiras e Portugal a entrar num novo confinamento.

O número de passageiros afundou para 56.487 em fevereiro, tendo a companhia aérea ajustado o número de voos a um quinto do que seria normal. Em março — mês em que avançou a primeira fase de desconfinamento em Portugal –, começou a tendência de recuperação com 93.917 passageiros a passarem pelos aviões da TAP. O ritmo de recuperação acelerou em abril e depois em maio, com uma subida de 24% para 261.649 pessoas. Apesar disso, os níveis continuam muito abaixo de pré-pandemia: o mês passado representou uma quebra de 83% face a igual período de 2019.

Fonte: ANAC

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Desde o início da pandemia que não havia tão poucos aviões em terra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião