Devemos ou não manter a câmara ligada durante as videochamadas? Opiniões dividem-se

Investigação levada a cabo por uma professora na Universidade Carnegie Mellon (EUA) dá conta que as chamadas de vídeos podem inibir a comunicação oral e reduzir a capacidade de trabalhar em equipa.

Agora que as videochamadas já fazem parte da rotina da generalidade dos trabalhadores, e encaradas de uma forma mais natural, surgem estudos que dão conta de que as videoconferências não são a melhor opção: podem dificultar a colaboração entre os colaboradores. Desligar a câmara pode ser o mais eficaz.

“Quando duas pessoas colaboram utilizando ferramentas de videochamada, mantendo a câmara ligada, tende-se a reduzir a comunicação oral, em comparação com reuniões em que se utilizava apenas o áudio”, revela um estudo realizado por Anita Williams Woolley, professora na Tepper School of Business, da Universidade Carnegie Mellon (Estados Unidos), avançado pelo The Wall Street Journal (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Os pares que conversaram com a câmara ligada registaram também uma pontuação mais baixa nos testes que avaliaram a capacidade das equipas para resolver problemas em conjunto.

Estes resultados surpreenderam a autora do estudo que envolveu trabalhadores que colaboravam em projetos através de videochamadas.

Vários especialistas dizem, contudo, que utilizar a câmara durante as videochamadas é a melhor opção, pelo menos em certas situações. Quando mudar para um local de trabalho híbrido, quando existe o perigo de ser mal interpretado, quando for preciso centralizar a partilha de informação, quando quiser chamar a atenção da sua equipa e quando quiser encorajar a colaboração de pequenos grupos são as cinco situações em que a Fast Company, com base nos resultados de outras investigações, considera que o uso do vídeo deve ser privilegiado.

A última situação, em especial, contraria os resultados do estudo da docente na Universidade Carnegie Mellon, que considera que ligar a câmara não irá contribuir para uma maior colaboração entre pequenos grupos de colegas, antes pelo contrário, poderá inibi-los.

Também a Konica Minolta é da opinião que ligar a câmara durante as meetings é “uma forma de manter o contacto visual”. Além disso, a empresa japonesa recomenda olhar para a câmara e não para a imagem no ecrã, de forma a mostrar um maior envolvimento na conversa, bem como utilizar o mute sempre que não seja a sua vez de falar, de modo a facilitar a comunicação entre todos os participantes da reunião.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Devemos ou não manter a câmara ligada durante as videochamadas? Opiniões dividem-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião