Estas são as regiões do país onde a internet é mais rápida (e mais lenta)

O país encontra-se a diferentes velocidades na rapidez da internet. Nas regiões autónomas, os downloads são mais rápidos. Mas no Alto Alentejo não é bem assim.

Fazer um download significa esperar quanto tempo? E enviar um email é caso sério, porque a página está sempre a ir abaixo? Em Portugal, a internet não “anda” toda à mesma velocidade. Enquanto em algumas zonas, como as regiões autónomas, a velocidade da internet é mais elevada, no Alto Alentejo e Tâmega e Sousa, a situação é a oposta. Mas a que velocidade se encontra a sua região em termos de internet?

Em 2020, os consumidores testaram a velocidade da sua ligação à internet 1,4 milhões de vezes com recurso à plataforma NET.mede, gerida pela Anacom. Foi nas regiões autónomas que se observaram os melhores resultados, tanto a nível de acessos fixos residenciais como móveis.

Em termos de acessos fixos residenciais, a Madeira é a região mais rápida para se aceder à internet, com 84,8 Mbps de download e 50,6 Mbps de upload. Logo a seguir vêm os Açores, com uma velocidade de download de 70,1 Mbps e 19,8 Mbps de upload.

No “top 5″ ficam ainda a Área Metropolitana de Lisboa (64,4 Mbps por download e 21,8 Mbps de upload), a Beira Baixa (64 Mbps por download e 24,5 Mbps de upload) e a Área Metropolitana do Porto (60,7 Mbps por download e 21,8 Mbps de upload).

Em sentido inverso, as regiões que apresentaram resultados mais baixos de velocidade de internet a partir de acessos fixos residenciais foram o Alto Alentejo, com 33,4 Mbps por download e 26,6 Mbps de upload, o Alto Minho, com 35,8 Mbps por download e 30,2 Mbps de upload, e o Algarve, com 38,2 Mbps por download e 19,8 Mbps de upload.

Também a região de Terras de Trás-os-Montes (42,1 Mbps por download e 21,4 Mbps de upload) e a de Alentejo Litoral (42,5 Mbps por download e 15,2 Mbps de upload) mostraram fracos desempenhos de velocidade.

Fonte: ANACOM

Já no que toca ao acesso à internet por rede móvel, é nos Açores que a velocidade é maior, como 12,1 Mbps por download e de 5,1 Mbps de upload. Com uma velocidade de 11,6 Mbps por download e de 5,1 Mbps de upload, surge, a seguir, a Madeira.

A região do Alentejo Central (10,5 Mbps por download e de 5 Mbps de upload), do Médio Tejo (9,2 Mbps por download e de 4,9 Mbps de upload) e do Alto Alentejo (9 Mbps por download e de 4,3 Mbps de upload) também são das regiões do país onde fazer um download através do acesso móvel é mais rápido.

Fonte: ANACOM

A zona de Tâmega e Sousa é a zona que apresenta os piores resultados nos testes feitos no NET.mede em acessos móveis, com a velocidade de 3,8 Mbps por download e de 4,8 Mbps de upload. Outra das regiões mais lentas é a de Alto Minho, com 5 Mbps por download e de 4,3 Mbps de upload.

A fechar o “top 5” das regiões em que o download e upload é mais lento, através da rede móvel, está Viseu Dão Lafões (5,6 Mbps por download e de 4,5 Mbps de upload), Algarve (5,7 Mbps por download e de 4,4 Mbps de upload) e Douro (5,9 Mbps por download e de 4,5 Mbps de upload).

O NET.mede é uma ferramenta da Anacom disponível gratuitamente para todos os consumidores, que permite testar a velocidade da internet de forma independente e comparar com o que está no contrato de telecomunicações. A plataforma permite ainda ver se há indícios de que as operadoras estão a limitar a sua rede para evitar congestionamentos.

Os dados da plataforma da Anacom não refletem totalmente a realidade do país, por basearem-se nos testes de utilizadores. Ainda assim, servem de indicador da velocidade da internet em Portugal. E comprovam que é no interior que o acesso é mais lento, comparativamente com as regiões do litoral.

Quais são os hotéis mais caros do país? Quem são as personalidades mais influentes no TikTok? E os gestores mais bem pagos da nossa bolsa? De segunda a sexta-feira, todos os dias há um ranking para ver aqui no ECO.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estas são as regiões do país onde a internet é mais rápida (e mais lenta)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião