Como segurar o talento? Estas são as estratégias do CEO da Kelly Services

Está preparado para segurar o seu talento? A Pessoas falou com Pedro Lacerda, CEO da Kelly Services Portugal, para saber quais as melhores estratégias.

Há quem fale num “boom” de demissões. Nos Estados Unidos, em abril, quatro milhões de americanos — 2,7% dos trabalhadores ativos — deixaram os seus empregos, um recorde no que toca a demissões, apenas ultrapassado pelos números registados em 2000. A nível mundial, os números são também bastante expressivos: 41% dos profissionais estão a considerar deixar o seu emprego atual, revela a Microsoft.

Está preparado para segurar o seu talento? Sabe que estratégias vai implementar na sua empresa? A Pessoas falou com Pedro Lacerda, CEO da Kelly Services Portugal, para saber como reter os profissionais. Olhar e dar resposta às necessidades dos colaboradores, investir no desenvolvimento e trabalhar o salário emocional são estratégias fundamentais para continuar a ser uma empresa atrativa para as suas pessoas.

Pedro Lacerda, CEO da Kelly Services Portugal.

1. Escute todas as linhas da organização

A escuta ativa é fundamental em qualquer empresa. Para o gestor, há sempre oportunidade para melhorar o relacionamento e o desempenho das equipas e esclarecer as dúvidas dos colaboradores, o que minimiza os conflitos presentes na rotina da empresa.

“Trata-se de uma ferramenta na qual realmente e verdadeiramente vale a pena investir, pois assim haverá uma melhora significativa nas relações interpessoais estabelecidas na organização, bem como no alcance dos seus resultados”, afirma.

2. Adapte-se (rapidamente) às necessidades dos colaboradores

“Sempre e quando estejam as alinhadas com a estratégia da empresa, adapte-se rapidamente às necessidades dos seus colaboradores”, aconselha Pedro Lacerda, acrescentando que esta adaptação tem três pilares essenciais.

Em primeiro lugar, uma “verdadeira cultura corporativa”, onde se vivam constantemente os valores da
empresa; em segundo lugar o “trabalho contínuo no conceito de wellbeing”; e, finalmente, uma “política de comunicação interativa e de ‘porta aberta'”.

3. Reforce projetos colaborativos na empresa

“Mais do que nunca, as funções empresariais deixam de ser estanques e específicas a um determinado tipo de conhecimento e passam, cada vez mais, a ter uma necessidade de gestão global. E, nesse sentido, a necessidade de upskill e reskill é muito fomentada pela participação em projetos corporativos”, refere o líder da empresa de recrutamento, defendendo que é benéfico alocar o talento a projetos de várias índoles de gestão dentro da empresa.

4. Trabalhe (e melhore) o salário emocional

Se já estava a ganhar peso, com a pandemia, o salário emocional foi trazido, novamente, para o centro das atenções das empresas. Benefícios de saúde, que extrapolam o colaborador e abrangem a sua família ou até os seus animais de estimação, bónus e incentivos vários, regalias que vão desde cabazes de fruta a cheque para ginásio ou medidas cada vez mais flexíveis, que se adaptam e personalizam consoante as necessidades de cada colaborador, são fatores cada vez mais importantes e que podem ser determinantes na decisão dos profissionais.

Esta década [o salário emocional] será um tema chave para todas as empresas que queiram estar no topo do ranking de ‘best places to work’.

Pedro Lacerda

CEO da Kelly Services Portugal

“A importância e peso do salário tem vindo a perder a peso ‘do mais importante no trabalho’, sendo esta perda de peso compensada com um aumento dos benefícios, o chamado salário emocional. Esta década será um tema chave para todas as empresas que queiram estar no topo do ranking de ‘best places to work’.”

5. Promova uma estratégia de felicidade organizacional

Não se trata de um tema puramente romântico, é uma uma estratégia que “tem de estar permanente na agenda de CEO e diretores de recursos humanos”. Potenciar a felicidade na organização é, também, potenciar o talento existente.

“Os riscos psicossociais representam um dos maiores riscos à saúde física e mental do trabalhador, podendo levar à ansiedade, burnout ou depressão. A sua avaliação está prevista na lei, sendo a identificação desses fatores e o controlo e/ou eliminação dos mesmos fulcral para uma organização saudável e feliz”, considera o CEO da Kelly Services Portugal.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Como segurar o talento? Estas são as estratégias do CEO da Kelly Services

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião