Chineses obrigam loja da Xiaomi em Portugal a desistir de pagamentos com criptomoedas

Mi Store Portugal anunciou que iria passar a aceitar criptomoedas como meio de pagamento. Dias depois, foi forçada a recuar pela casa-mãe da marca em Pequim, citando motivos "regulatórios".

A loja oficial da Xiaomi em Portugal anunciou na semana passada que iria passar a aceitar pagamentos com criptomoedas. Poucos dias depois, foi forçada pela marca chinesa a recuar na decisão, numa altura em que aperta o cerco de Pequim a várias empresas de tecnologia, mas também às moedas virtuais, como a bitcoin.

Num comunicado insólito, a Mi Store Portugal, parceiro que opera as lojas de telemóveis e de outros equipamentos eletrónicos da Xiaomi, pede “desculpa” aos clientes pelo recuo e admite que a ordem veio de cima. Mais propriamente da marca internacional, a Xiaomi Global, uma empresa do grupo Xiaomi, que tem sede em Pequim, na China.

“Em nome da Mi Store Portugal, informamos que iremos recuar com a oferta da opção de pagamento em criptomoedas. Pedimos desculpa por qualquer transtorno causado”, começa por informar o “comunicado oficial” da loja da Xiaomi Portugal, marca que é liderada no país por Tiago Flores desde o final de abril, ex-diretor de vendas da área de consumo de outra empresa chinesa em Portugal, a Huawei.

O comunicado da loja da Xiaomi em Portugal vai ainda mais longe: “Esta oferta foi feita de forma repentina sem a prévia aprovação da Xiaomi Global e não passou pelos canais e processos regulatórios apropriados”, indica a mesma nota, divulgada na sexta-feira de manhã. O ECO contactou a Xiaomi Portugal, mas a empresa não quis fazer comentários.

Comunicado da Mi Store Portugal, a loja oficial da Xiaomi Portugal, publicado no Facebook.

China declara guerra às criptomoedas… e às empresas de tecnologia

No comunicado, a Mi Store Portugal não detalha que “processos regulatórios” teriam sido “apropriados” para uma decisão desta natureza.

Ainda assim, o recuo da empresa em Portugal não pode deixar de ser visto à luz da crescente pressão do regime chinês contra as criptomoedas e as empresas de tecnologia. Este caso representa, precisamente, uma interceção entre ambas.

Este ano, face ao aumento expressivo dos preços de criptomoedas, de que foi exemplo a bitcoin, o Banco Popular da China proibiu instituições bancárias e empresas de pagamentos de se envolverem em transações relacionadas com criptomoedas. Recentemente, a China também declarou guerra aos mineradores de bitcoin, que gerem muitos dos nós que permitem a rede funcionar de forma descentralizada.

Além disso, as autoridades têm tomado medidas contra várias empresas chinesas de tecnologia, entre as quais o grupo Alibaba, do magnata Jack Ma, mas também a Tencent (dona do WeChat), a Didi (vulgarmente conhecida por “Uber chinesa”) e muitas outras. Estas têm respondido em sentido à mão de ferro do regime de Xi Jinping, aceitando levar a cabo profundas alterações aos seus modelos de negócio.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Chineses obrigam loja da Xiaomi em Portugal a desistir de pagamentos com criptomoedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião