Autoeuropa admite novas paragens e lay-offs

  • ECO
  • 27 Agosto 2021

Face à crise de semicondutores, o regresso ao trabalho depois das férias na Autoeuropa pode já não ser a 6 de setembro. Em cima da mesa, novas paragens na produção e até lay-offs.

A Autoeuropa admite que o regresso ao trabalho após as férias pode já não ser a 6 de setembro, devido ao agravamento da crise de semicondutores, que pode comprometer a produção. A notícia é avançada pelo Expresso (acesso pago).

Fonte oficial da empresa diz ser “expectável” que a situação permaneça instável por mais tempo e, nesse sentido, não exclui a possibilidade de novas paragens na laboração e lay-offs. “Levando ao limite e esgotando a flexibilidade gerada pela utilização dos down-days [mecanismo de flexibilidade laboral e manutenção do emprego que desconta dos subsídios de Natal eventuais dias de paragem], a empresa terá que equacionar as medidas disponíveis e mais adequadas para manter emprego e rendimentos face à quebra significativa no volume de negócios”, aponta uma fonte oficial da Volkswagen, casa-mãe da unidade de Palmela.

Devido à falta de chips, com epicentro na Ásia, a produção da Autoeuropa caiu em cerca de 25 mil unidades desde o início de 2021, tendo sido cancelados 73 turnos de produção, enquanto a pandemia de Covid-19 provocou o cancelamento de outros 13.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa admite novas paragens e lay-offs

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião