Bruxelas torna venda da Air Europa à Iberia “impossível”

  • ECO
  • 7 Outubro 2021

Bruxelas está a travar a venda da Air Europa à Iberia porque juntas as companhias teriam 100% dos voos entre Madrid e vários destinos no continente americano.

Bruxelas está a dificultar a venda da Air Europa à IAG, sociedade gestora de participações sociais (‘holding’) que controla a Iberia, forçando a companhia a ceder a outras companhias áreas parte das rotas chave, avança o El Economista (acesso livre).

Abdicar de rotas fundamentais parece ser uma das condições que Bruxelas irá impor para autorizar a venda da Air Europa à Iberia. Juntas a IAG – a empresa-mãe da Iberia – e a Air Europa teriam 100% dos voos entre Madrid e vários destinos no continente americano, incluindo os voos para Miami.

A fusão Iberia-Air Europa abrangeria também uma grande percentagem das rotas entre Madrid e Havana, cerca de 77%, e Quito (89%). Noutros destinos como Medellín, Lima, Buenos Aires ou São Paulo, também ultrapassaria a barreira dos 50%, de acordo com os meios económicos espanhóis.

Caso a Iberia decida recuar na operação, que de acordo com as estimativas iniciais deverá ascender a 1.000 milhões de euros, o contrato com a Air Europa contém uma cláusula segundo a qual os proprietários da Air Europa têm direito a uma compensação de 40 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bruxelas torna venda da Air Europa à Iberia “impossível”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião