Justiça liberta bens à guarda de Vale e Azevedo após 14 anos de penhora

  • ECO
  • 11 Outubro 2021

A libertação acontece depois de o magistrado de o Juízo de Execução de Sintra não ter dado como provado que estes pertenciam a João Vale e Azevedo e à mulher.

O Juízo de Execução de Sintra libertou um conjunto de bens penhorados desde 2007, depois de não ter dado como provado que os seus donos são João Vale e Azevedo e à mulher, avança o Público (acesso condicionado).

Os bens, entre os quais quadros, faqueiros em prata, louças de Cantão, de Limoges e da Vista Alegre, tapetes de Arraiolos e várias peças de mobiliário, eram parte do recheio da Quinta de Cima, em Sintra, onde Vale e Azevedo vivia com a mulher. A Justiça também não deu como provado que a empresa que figura como proprietária desta casa serviu apenas de “testa de ferro” do casal.

Os objetos tinham sido apreendidos há 14 anos, no âmbito de um processo de execução interposto pela sociedade imobiliária inglesa St. James Group Limited, devido a um contrato de promessa de compra e venda de um imóvel.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Justiça liberta bens à guarda de Vale e Azevedo após 14 anos de penhora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião