Ministério Público suspeita que Pinto da Costa desvia dinheiro há dez anos

Segundo despacho do MP, suspeitas envolvem negócios de transferências dos jogadores Casemiro, Brahimi, Quaresma e Aboubakar. Recolha de prova deve-se a cerca de 20 negócios milionários de jogadores.

O Ministério Público investiga esquemas de alegada fraude que envolvem a criação de justificações contratuais, nos contratos de transferências de jogadores, para explicar o recebimento, pelo FC Porto e pela sua SAD, de vantagens indevidas ou não declaradas em sede fiscal, em benefício Jorge Nuno Pinto da Costa, Pedro Pinho e Alexandre Pinto da Costa.

No despacho relativo às buscas feitas por Rosário Teixeira, Pinto da Costa é suspeito de desviar milhões de euros em comissões de transferências de jogadores há quase dez anos.

No dia 22 de novembro, o Ministério Público realizou 33 buscas, entre as quais à SAD dos dragões, afirmando estar a investigar o pagamento de comissões superiores a 20 milhões de euros relacionados com transferências de futebolistas.

O MP suspeita que parte dos montantes respeitantes às comissões era devolvido, pelos agentes desportivos, através de património para a esfera dos dirigentes, ou através do pagamento de despesas que o clube ou a SAD não podiam documentar. O esquema envolvia Pedro Pinho, Pinto da Costa e Alexandre Pinto da Costa e o seu início reporta-se a 2012.

“Indicia-se que os montantes das comissões pagas pelo FCP aos agentes são ficticiamente incrementadas, havendo pagamentos feitos a entidades e pessoas que, na realidade, não tiveram qualquer intervenção nos negócios dos jogadores”, pode ler-se no despacho do DCIAP:

Negócios feitos entre 2017 e 2020, nomeadamente com os jogadores Ricardo Pereira, Mateus Uribe, Éder Militão, Felipe, Zé Luís, Oliver Torres, Fábio Silva e Danilo Pereira estão na mira do MP. Bem como as transferências de jogadores como Brahimi, Quaresma, Aboubakar e Mateus Uribe. E ainda os negócios de intermediação de Renzo Saravia, Agustin Marchesín e Ivan Marcano também estão sob suspeita do MP na medida em que o valor foi dividido com Alexandre Pinto da Costa. O valor das comissões sob suspeita ascende aos 20 milhões de euros, pagas pelo clube desde 2017.

Na passada segunda-feira, a sede da SAD do FC Porto e casas de empresários ligados à indústria do futebol, como Pedro Pinho e Alexandre Pinto da Costa, foram alvos de buscas por parte do Ministério Público. O DCIAP referiu que as diligências de recolha de prova visam investigar a suspeita de prática de crimes de fraude fiscal, burla, abuso de confiança e branqueamento, relacionados com transferências de jogadores de futebol e com circuitos financeiros que envolvem os intermediários nesses negócios.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ministério Público suspeita que Pinto da Costa desvia dinheiro há dez anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião