Setor a setor, conheça as tendências no recrutamento em 2022. E os saláriospremium

A pressão salarial está a aumentar. Na indústria, um diretor-geral pode receber anualmente 170 mil euros brutos. Mas nem tudo é remuneração monetária, o salário emocional conta cada vez mais.

Num mercado em que faltam profissionais com as qualificações necessárias e, ao mesmo tempo, crescem as ofertas de trabalho-- com mais de metade dos empregadores nacionais a admitirem que têm intenções de contratar mais já no início de 2022-- o próximo ano não se afigura fácil em matéria de talento. A pressão está a aumentar e parece não existir outra hipótese, a não ser aumentar os salários. Na indústria, por exemplo, um diretor-geral pode receber anualmente 170 mil euros brutos. Mas nem tudo é remuneração monetária, também a flexibilidade, o bem-estar e o chamado salário emocional continuam a ganhar importância. Dos perfis mais procurados às remunerações estimadas para cada função, estas são as principais tendências de recrutamento para o próximo ano para os quadros executivos, em

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos