CGD critica greve “banalizada” e diz que paga 19% acima dos outros bancos

A administração liderada por Paulo Macedo mostra os valores dos ordenados, dos subsídios e das promoções para contestar a greve convocada pelo STEC, que fala numa proposta “insultuosa e vergonhosa".

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) lamenta a decisão do Sindicato de Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEC) de avançar para a greve em pleno processo de negociação de revisão salarial, reclamando que esse direito “não deve ser banalizado, nem ser uma desvantagem competitiva face aos concorrentes”.

O banco público calcula ter uma tabela de remunerações “muito acima dos restantes bancos com quem concorre” — mais de 19% –, com uma remuneração média para colaboradores em funções diretivas de 5.715 euros e de 2.353 euros funções não diretivas, além da pensão média ascender a 2.118 euros.

Num comunicado enviado às redações, a instituição financeira liderada por Paulo Macedo sublinha ainda que “o trabalho, mérito, empenho e dedicação dos seus trabalhadores tem tido reconhecimento”, contabilizando que cerca de 1.350 foram promovidos em 2021 e que vão ser realizadas 802 promoções no primeiro trimestre de 2022. No ano que está a terminar, acrescenta, 82% acumulou prémios de desempenho e potencial.

“A Caixa continuará a cumprir o seu papel, em concorrência com os restantes bancos, apesar da maior tabela salarial e de maiores encargos com o Fundo de Pensões (com condições únicas no país). Como banco português e de capitais públicos, cumpre-lhe assegurar que tem a solidez financeira para enfrentar os desafios futuros, mas também para prosseguir a missão de devolver os montantes que os portugueses e investidores que lhe confiaram aquando da recapitalização de 2017”, frisa.

Esta reação oficial surge no dia em que os trabalhadores da CGD cumprem o primeiro de dois dias de greve contra “a miserável recompensa de 0,4% de aumento salarial”. Citado pela Lusa, o STEC fala numa proposta “insultuosa e vergonhosa” e acusa a administração do banco de adotar uma postura de “total sobranceria, intransigência e desrespeito para com os trabalhadores”.

O sindicato mais representativo do banco público já tinha também marcado e tem estado a cumprir uma greve ao trabalho suplementar não pago, que começou a 13 de dezembro e que vai até 14 de janeiro de 2022.

Vários subsídios aumentam em 2022

As contas apresentadas pela Caixa vão muito além da revisão da tabela, sustentando que propõe igualmente uma “atualização dos valores das cláusulas de expressão pecuniária, mesmo sendo já as mais altas da banca”. Destaca o subsídio de alimentação (11,32 euros por dia), que diz ser superior em 16,5% ao do setor, e que o valor do subsídio infantil é, em média, superior em 120% ao valor do praticado em toda a banca.

Ainda assim, prossegue no comunicado divulgado esta quinta-feira, a administração diz que apresentou uma proposta de aumento no subsídio de apoio ao nascimento (+1,9%), que passa para 800 euros, que aumenta em 4,7% o subsídio ao trabalhador-estudante e que sobe também o apoio ao estudo dos filhos até ao 12º ano e depois no ensino superior.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CGD critica greve “banalizada” e diz que paga 19% acima dos outros bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião