Portugueses gerem novo fundo de 26 milhões focado em blockchain

Liderado por três portugueses, o fundo Lightshift I conta com alguns dos principais investidores da indústria, incluindo Diogo Mónica, da Anchorage Digital, o 7.º unicórnio com ADN nacional.

O Lightshift Capital anunciou esta terça-feira o lançamento de um novo fundo de 30 milhões de dólares (o equivalente a cerca de 26 milhões de euros), focado em blockchain. Apesar de não ser um fundo português, o Lightshift I é liderado pelos portugueses Simão Cruz, CEO & founding managing partner, David Nogueira, CTO & founding managing partner, e Roberto Machado, founding partner, e conta com a participação de alguns dos principais investidores na indústria. Diogo Mónica (Anchorage Digital — o sétimo unicórnio com ADN nacional), Gavin Wood (fundador Ethereum e Polkadot), Marc Andreessen (a16z) e o DCG (Digital Currency Group) são alguns dos investidores que participam neste fundo.

“Os três sócios fundadores querem contribuir com o seu investimento e expertise em tecnologia e produto, depois de terem criado e participado em aplicações de blockchain bem sucedidas e comunidades”, lê-se em comunicado.

A estratégia deste novo fundo early stage centra-se em ativos digitais e serviços financeiros descentralizados, apresentando-se como uma comunidade de criadores e especialistas nesta tecnologia, com o objetivo de desenvolver a próxima geração de casos de utilização da blockchain, que consideram a evolução tecnológica recente mais significativa. “As suas características abertas e descentralizadas eliminam a dependência de uma única equipa e abrem a possibilidade da contribuição de várias, que operam de forma independente e global.”

A Lightshift, que pretende ser a melhor plataforma para apoiar a próxima geração de blockchain, crypto e web3, está concentrada na participação em projetos descentralizados e no investimento nos seus tokens.

“O fundo investe nas primeiras fases de desenvolvimento [early stage] e alavanca equipas de engenharia para acelerar e empoderar o seu portefólio de empresas. Essas equipas são parte integrar do processo de desenvolvimento coordenando outros criadores na direção de uma visão comum”, pode ler-se no comunicado.

Gavin Wood (fundador Ethereum e Polkadot), Marc Andreessen (a16z), DCG (Digital Currency Group) e Diogo Mónica (Anchorage) são alguns dos investidores que participam neste fundo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugueses gerem novo fundo de 26 milhões focado em blockchain

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião