Vodafone denuncia “ato terrorista” para derrubar serviço em Portugal

Presidente executivo da Vodafone diz que o ciberataque à operadora foi um "ato terrorista" para derrubar as redes e serviços da empresa e "dificultar ao máximo" a recuperação.

O presidente executivo da Vodafone Portugal disse esta terça-feira que o ciberataque à empresa, detetado na segunda-feira à noite e assumido esta manhã, foi um “ato terrorista” e “criminoso”, que visou “tornar indisponível” o serviço da operadora e “dificultar ao máximo a recuperação dos serviços”.

Depois de uma noite de trabalho “ininterrupto”, a Vodafone convocou uma conferência de imprensa em Lisboa para esta terça-feira de manhã, com menos de uma hora de antecedência. Nela, Mário Vaz disse esperar que a empresa consiga recuperar o serviço de dados móveis 4G durante a tarde, estando a trabalhar no sentido de recuperar depois o serviço de telefone fixo e o de SMS para grandes clientes.

O gestor assegurou que a operadora não tem “qualquer indício” de que tenha havido acesso a dados pessoais dos clientes ou “corrupção” dos mesmos, dado que “o ataque foi dirigido à rede” e não aos sistemas. O serviço de internet fixa foi o único que não foi afetado pelo ciberataque.

A empresa ainda não terá aferido o impacto financeiro deste incidente, nem tomou qualquer decisão do ponto de vista de faturação. “Não é prioridade para nós a dimensão do prejuízo. O impacto [financeiro] para nós, neste momento, é secundário”, disse Mário Vaz.

De acordo com o gestor, a operadora está a trabalhar com as autoridades, parceiros e fornecedores na resolução do problema. Contudo, Mário Vaz não quis avançar publicamente qualquer detalhe técnico acerca da natureza do ciberataque, quando questionado pelo ECO nesse sentido.

Vodafone não avança suspeitas

O responsável não revelou também se a empresa suspeita da identidade dos autores do ataque, da sua localização ou respetivos motivos, mas confirmou que a Vodafone não recebeu qualquer pedido pedido de resgate, descartando, deste modo, um dos tipos de ciberataques mais comuns, conhecido por ransomware — e cujas motivações, por norma, são puramente financeiras.

O gestor reconheceu também que as falhas de serviço da Vodafone registadas no Reino Unido, sobre as quais houve queixas nas redes sociais na segunda-feira à noite, foram “consequência” do incidente em Portugal e fruto de uma decisão tomada pela empresa para mitigar os efeitos do ataque. O ciberataque foi direcionado à Vodafone em Portugal, admitiu.

A Vodafone Portugal tem cerca de quatro milhões de clientes, de acordo com Mário Vaz. O ciberataque tem provocado disrupção nos mais variados serviços, áreas e instituições, incluindo em serviços críticos e de emergência, no acesso a contas bancárias (por indisponibilidade do serviço de SMS) e até em caixas Multibanco, confirmou a companhia.

“Ficámos sem redes e sem hipótese de contacto com os nossos clientes. Acionámos o gabinete de crise por volta das 21h00 e a prioridade absoluta foi tentar recuperar o máximo de serviço possível, em particular o de voz sobre 2G às 22h, por questões de emergência, e um serviço mínimo de dados móveis, sobre rede 3G, já perto da meia-noite”, concretizou o presidente executivo da Vodafone. A falha também afetou os serviços da empresa nas regiões autónomas.

Mário Vaz não se comprometeu com um prazo para o restabelecimento da totalidade do serviço. Mas pediu “desculpa a todos” os clientes da operadora pelo impacto causado, ainda que “de forma totalmente involuntária”. O gestor confirmou que existe a possibilidade e disponibilidade para recorrer à infraestrutura das operadoras concorrentes no sentido de restabelecer os serviços, mas é uma via que não está a ser seguida até ao momento.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h44)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Vodafone denuncia “ato terrorista” para derrubar serviço em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião