Gás natural dispara 7% após embargo europeu ao petróleo russo

Comissão Europeia quer reduzir dependência da energia russa e propôs esta quarta-feira proibir importações de petróleo e produtos refinados russos de forma gradual até final do ano.

Além do petróleo, também os preços do gás natural na Europa estão em alta, depois de a Comissão Europeia ter proposto um embargo total ao petróleo e produtos refinados da Rússia por causa da “agressão brutal” à Ucrânia.

O contrato de gás natural Dutch TTF que expira a 30 de maio avança 7,01% para 106,395 euros por MWh.

A proposta anunciada esta quarta-feira pela Presidente da Comissão Europeia inclui um embargo ao petróleo e aos produtos refinados russos de forma faseada até final do ano, no âmbito do sexto pacote de de sanções contra a Rússia devido à invasão da Ucrânia.

“Putin tem de pagar um preço, um preço elevado, por causa da sua agressão brutal”, disse Ursula von der Leyen. As medidas têm de ser aprovadas pelos governos da UE, mas a Comissão está determinada em acabar com a dependência da energia russa.

Cerca de metade dos 4,7 milhões de barris por dia das exportações de petróleo da Rússia vão para a UE, com os russos a fornecerem cerca de um quarto das importações de petróleo da UE em 2020.

Em Londres, o barril de Brent avança mais de 4% para perto dos 110 dólares por barril.

(Notícia atualizada às 12h07 com novas cotações)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Gás natural dispara 7% após embargo europeu ao petróleo russo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião