Número de trabalhadores em “lay-off” cai para mínimo de julho de 2020

  • Lusa
  • 23 Maio 2022

O número de trabalhadores em "lay-off" tradicional caiu em abril para 4.498, o mais baixo desde julho de 2020, de acordo com dados avançados pela Segurança Social.

O número de trabalhadores em lay-off tradicional, previsto no Código do Trabalho, caiu em abril para 4.498, o valor mais baixo desde julho de 2020, segundo as estatísticas mensais divulgadas pela Segurança Social.

“O número de beneficiários de prestações de lay-off (concessão normal, de acordo com o previsto no Código de Trabalho) situou-se em 4.498 pessoas, em abril de 2022″, lê-se na síntese estatística elaborada pelo Gabinete de Planeamento e Estratégia (GEP) do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

“Este número é o mais baixo desde julho de 2020”, sublinha o GEP.

As prestações de lay-off processadas em abril diminuíram em 44,1% face ao mês anterior e em 50,1% na comparação homóloga.

De acordo com os dados, a maioria dos trabalhadores em abril estava abrangida pelo regime de redução de horário de trabalho, totalizando 3.679, menos 449 do que no período homólogo.

O regime por suspensão temporária do contrato de trabalho foi atribuído a 819 pessoas em abril. Estas prestações foram processadas para 116 entidades empregadoras.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Número de trabalhadores em “lay-off” cai para mínimo de julho de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião