📹 O Plano de Bruxelas para acabar com dependência energética da Rússia

RePowerEU pretende acelerar a transição verde e investir maciçamente nas energias renováveis, mas também identificar oportunidades para os cidadãos e indústrias para reduzir o seu consumo de energia.

Criar um “mecanismo de aquisição conjunta” de gás natural, gás natural liquefeito (GNL) e hidrogénio, à semelhança do que aconteceu com as vacinas da Covid-19, evitando a concorrência entre os países do bloco. Encontrar novos parceiros fiáveis para fornecer energia à União Europeia. Acelerar os projetos de energia solar e eólica, combinados com a utilização de hidrogénio verde.

Estas são apenas algumas das medidas que a Comissão Europeia pretende adotar este ano no âmbito do RePowerEU, o plano traçado para reduzir a dependência da energia russa, mas também dos combustíveis fósseis.

O RePowerEU pretende acelerar a transição verde e investir maciçamente nas energias renováveis, mas também identificar oportunidades para os cidadãos e indústrias para reduzir o seu consumo de energia.

Em cima da mesa estão 300 mil milhões de euros em investimentos a realizar até 2017 na infraestrutura energética europeia, como o reforço da rede elétrica, facilitando o hidrogénio renovável e aumentando a produção de biometano. Verbas que serão financiadas através da reprogramação dos diferentes Planos de Recuperação e Resiliência (PRR).

A Comissão Europeia defende ainda a criação de interconexões para a Península Ibérica, nomeadamente as interligações elétricas transfronteiriças, mas também para transporte de GNL e hidrogénio ‘verde’. Um projeto que poderá beneficiar Portugal que poderá assumir o papel de porta de entrada do gás oriundo dos Estados Unidos e de outras geografias. “Precisamos de acelerar a introdução das interconexões e somos bastante defensores da criação de melhores ligações entre a Península Ibérica e o resto da Europa”, disse o vice-presidente executivo da Comissão Europeia. “Para nós é muito importante [ter interligações de gás], mas também as interconexões elétricas transfronteiriças são importantes e melhorá-las na Península Ibérica, entre a Península Ibérica e a França, é muito urgente e de grande importância”, acrescentou Frans Timmermans.

Mas esta é uma medida de médio prazo, tal como é aumentar o objetivo de eficiência energética para 2030 de 9% para 13%, mas também que 45% das fontes de energia sejam de origem renováveis e já não 40%. Impulsionar a descarbonização da indústria com projetos no valor de três mil milhões de euros financiados pelo Fundo de Inovação, acelerar o licenciamento de energias renováveis especialmente em áreas pré-definidas e com baixo risco ambiental e criar medidas regulatórias para aumentar a eficiência energética no setor dos transportes, são outras sugestões avançadas pela Comissão que quer pôr reduzir rapidamente a dependência do gás e petróleo russo, mas também aumentar a resiliência do sistema energético europeu.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

📹 O Plano de Bruxelas para acabar com dependência energética da Rússia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião