Portugal pode exportar amónia verde já em 2026

  • ECO
  • 2 Junho 2022

CEO da Madoqua Renewables diz que "Portugal vai ser o primeiro país do mundo a produzir amónia verde à escala industrial" e que poderá reabastecer outros países.

Até ao final de 2026, o consórcio luso-holandês MadoquaPower2X espera começar a exportar do Porto de Sines amónia verde, um biocombustível produzido a partir de hidrogénio renovável. Em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago), o CEO da empresa portuguesa Madoqua Renewables diz que “Portugal vai ser o primeiro país do mundo a produzir amónia verde à escala industrial” e que poderá reabastecer outros países.

O projeto tem um investimento total de mil milhões de euros e prevê a construção de uma potência de 500 MW de eletrolisadores, que permitam produzir 50 mil toneladas de hidrogénio verde e 500 mil toneladas de amónia verde por ano. A verba inclui ainda a produção solar, eólica e a infraestrutura para trazer esta energia até Sines.

“Depois podemos abastecer os navios que vão para Roterdão, onde há tanques de armazenamento. Mas também para para a Suécia, América do Norte ou do Sul e a importância de Portugal vai aumentar”, afirma Roger Rebelo, CEO da Madoqua, em entrevista ao Negócios. Até ao final de 2022, o objetivo é ter tudo pronto para licenciar o projeto.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal pode exportar amónia verde já em 2026

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião