5 coisas que vão marcar o dia

Combustíveis mais caros, taxas Euribor a subir: dois problemas para as famílias. Se tem uma empresa, termina hoje o prazo para a entrega do IRC. Também há dados económicos para conhecer.

Más notícias para as famílias portuguesas: os combustíveis estão mais caros e as Euribor não param de subir. Esta segunda-feira, a taxa que mais afeta os portugueses na prestação da casa pode renovar um máximo. Conheça alguns dos temas que vão marcar o dia.

Combustíveis sobem até 14 cêntimos

Se tem um dos cerca de 5,6 milhões de automóveis que circulam nas estradas portuguesas, vai pagar mais para abastecer o depósito a partir desta segunda-feira. De acordo com as previsões do Ministério das Finanças, o litro de gasóleo, mas também de gasolina vão subir 11 cêntimos, já tendo em conta as alterações ao nível da carga fiscal (redução do ISP de 0,5 cêntimos no gasolina e 0,3 cêntimos no gasóleo). A subida é o efeito do aumento dos preços do petróleo na semana passada, em que os líderes europeus chegaram a um acordo para banir parcialmente as importações de petróleo russo. O levantamento de restrições da Covid-19 da China, o maior importador de crude do mundo, também contribuiu para engordar o preço do barril.

Preços dos combustíveis aumentaram esta segunda-feiraJOSÉ SENA GOULÃO / LUSA

De olhos postos nas Euribor

O Banco Central Europeu (BCE) ainda não tocou nas taxas de juro, mas a perspetiva de aperto da política monetária na Zona Euro já se reflete nas Euribor, das quais depende a prestação mensal do crédito da casa. Em 12 de abril, a Euribor a 12 meses regressou a terreno positivo, o que não acontecia desde fevereiro de 2016. Quase dois meses depois, a taxa já vai nos 0,486%. As restantes taxas mantêm-se abaixo de zero, mas, provavelmente, não por muito mais tempo. Na sexta-feira, a Euribor a 6 meses, a que mais afeta as famílias portuguesas, fixou-se em -0,008%. Se passar a terreno positivo esta segunda-feira, renova um máximo de pelo menos sete anos.

Termina o prazo para entrega do IRC

Acaba hoje o prazo para a entrega da declaração do IRC, referente aos rendimentos obtidos em 2021. Normalmente, a data terminaria no final de maio, mas o Governo decidiu dar mais tempo às empresas para o cumprimento desta obrigação fiscal, à semelhança do que aconteceu na campanha anterior. Mesmo assim, a Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) defende que não é suficiente. Há meses que apela ao Executivo o alargamento do período de entrega até ao dia 30 de junho, sem sucesso, aparentemente.

É dia de keynote da Apple

Arranca hoje a conferência anual de programadores da Apple, também conhecida por WWDC. Habitualmente, a fabricante do iPhone aproveita a ocasião para anunciar novidades no campo do software, mas também novos produtos. Os fãs da vão estar atentos aos detalhes do iOS 16 e esperam também novos portáteis MacBook Air, de acordo com a imprensa especializada. Mas o mercado estará particularmente atento às ambições da Apple no campo da realidade aumentada (RA), ainda que a Bloomberg tenha assegurado que a empresa não vai lançar já uns óculos de RA. A apresentação está agendada para as 18h de Lisboa.

Transportes em recuperação

Mais de dois anos depois, a atividade dos transportes ainda não recuperou totalmente do choque da pandemia. No quarto trimestre do ano passado, o número de passageiros nos aeroportos portugueses ainda estava quase 27% abaixo do registado no mesmo período de 2019, pré-Covid. Será um dos vários indicadores que o Instituto Nacional de Estatística (INE) atualiza esta segunda-feira. Desta vez, a informação diz respeito aos primeiros três meses de 2022.

Número de passageiros nos aeroportos ainda não recuperou da pandemiaEPA/WILL OLIVER

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião