Estes são os cinco produtos que mais encareceram desde a guerra

Deco revela que o preço de um cabaz de produtos essenciais encareceu cerca de 20 euros desde o início da guerra, superando já os 203 euros. Conheça os produtos que mais aumentaram de preço.

O preço de um cabaz de produtos essenciais encareceu cerca de 20 euros desde o início da guerra na Ucrânia, totalizando já 203,72 euros. A pescada fresca, o salmão, o óleo alimentar, o frango e a bolacha Maria foram os cinco produtos que mais aumentaram desde então, com disparos superiores a 26%, segundo as contas realizadas pela Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco).

A invasão russa à Ucrânia veio acelerar ainda mais a subida de preços da energia e transportes, agravando a escalada de preços das matérias-primas. Esta tendência reflete-se já na taxa de inflação em Portugal, que em junho atingiu 8,7%, o valor mais elevado desde 1992, e reflete-se também a nível europeu, com os preços a registarem uma aceleração de 8,6% na Zona Euro no mês passado, um máximo de duas décadas.

Se a 23 de fevereiro, um dia antes de o conflito eclodir, o cabaz monitorizado pela Deco custava 183,63 euros, na quarta-feira já custava 203,72 euros, o que representa um aumento de 10,94% (mais 20,09 euros). Em causa está a monitorização feita desde final de fevereiro a 63 produtos alimentares essenciais, que incluem o peru, frango, pescada, carapau, cebola, batata, cenoura, banana, maçã, laranja, arroz, esparguete, açúcar, fiambre, leite, queijo e manteiga.

Entre os produtos que registaram o maior aumento de preço desde o início da guerra e até à passada quarta-feira, a Deco destaca a “pescada fresca (mais 46%), o salmão (mais 40%), o óleo alimentar 100% vegetal (mais 38%), o frango inteiro (mais 31%), a bolacha Maria (mais 26%), a farinha para bolos (mais 23%), o bife de peru (mais 21%), o café torrado moído (mais 21%), o arroz carolino (mais 21%) e a costeleta de porco (mais 20%)”.

Perante a análise destes dados, é possível concluir que as oscilações de preço são variáveis. Na última semana, entre 22 e 29 de junho, o custo do cabaz de bens essenciais voltou a aumentar ligeiramente, tendo encarecido 1,73 euros (mais 0,86%) para 203,72 euros, face aos 201,98 euros estimados a 22 de junho. Não obstante, entre as semanas analisadas, o maior aumento semanal foi registado entre 9 e 16 de março. Nessa semana, o mesmo cabaz encareceu 7,94 euros, passando a custar 191,58 euros, face aos 183,64 euros estimados a 9 de março.

Entre os produtos que sofreram a maior variação de preço na última semana, a Deco destaca “os os cereais (mais 15%), o carapau (mais 14%), a couve-flor (mais 12%), o tomate (mais 12%), a alface frisada (mais 10%), os brócolos (mais 8%), a curgete (mais 8%), a pescada fresca (mais 8%), a cenoura (mais 7%) e a massa esparguete (mais 7%)”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estes são os cinco produtos que mais encareceram desde a guerra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião