Fosun e Sonangol de saída do BCP? Banca europeia vive sem acionistas de referência

Com o aumento da especulação em torno da Fosun e Sonangol, Miguel Maya já assumiu que a saída dos acionistas de referência seria natural: o BCP está sólido e é uma realidade na Europa.

É um cenário que parece ganhar cada vez mais força: a Fosun e a Sonangol poderão estar de saída da estrutura de capital do BCP BCP 0,88% , o que deixaria (muito provavelmente) o banco português sem acionistas de referência. Essa é uma realidade com a qual a banca europeia já convive há muito.

A petrolífera angolana e o conglomerado chinês desempenharam um papel importante na recuperação do banco liderado por Miguel Maya e Nuno Amado, quando adiantaram dinheiro em momentos cruciais em 2008 (no rescaldo da guerra de acionistas do BCP) e em 2017 (quando foi preciso devolver a ajuda pública ao Estado de mil milhões), respetivamente. Mas agora esse ciclo está a fechar.

A agência Reuters avançou esta semana que a Fosun – pressionado pela dívida – estava a explorar a venda da sua posição de 20,03% no BCP, tendo conversado com o Caixabank e o BBVA sobre essa possibilidade. A Sonangol admitiu que enfrenta “muita pressão” de fundos estrangeiros para vender a participação de 19,5%.

Para o BCP, “a situação sólida” que vive nos dias de hoje deixa o CEO do banco tranquilo em relação a mudanças na estrutura acionista da instituição.

“Não me preocupo com nenhuma necessidade de vir a precisar de capital. A necessidade de ter acionistas com capital para suportar o banco faz parte do passado e não do futuro”, afirmou Miguel Maya na conferência de apresentação dos resultados de 2023, sem deixar de agradecer à Sonangol e Fosun: “Estamos gratos, reconhecidos, foram e são muito importantes na vida do banco”.

Na altura, e depois de anunciar lucros históricos de 856 milhões de euros e dividendos de 250 milhões, o gestor destacou ainda outro aspeto: “Na medida em que o banco tem situação sólida, o normal era ver o BCP a evoluir como os grandes bancos europeus e norte-americanos, que tem um free float: nós temos 60% e grandes bancos têm um free float nos 90% ou mais”.

O free float corresponde à parte das ações que estão dispersas na bolsa e não se encontra nas mãos de acionistas de referência, como representam a Sonangol e a Fosun para o BCP.

Dois terços com 90% de free float

Ter acionistas de referência possa assegurar maior estabilidade a um banco, na medida em que em situações de crise estarão lá para injetar dinheiro para cobrir eventuais prejuízos, mas António Nogueira Leite, economista e ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) salienta que o mais importante é outra coisa: “Uma instituição ter a capacidade de se financiar no mercado porque os investidores confiam no projeto e na gestão”. Isso acontece nos EUA e também na maioria dos grandes bancos na Europa.

“A importância de ter acionistas de referência é relativa. Podem ser relevantes se forem instituições idóneas e fortes. Às vezes podem estar muito alavancadas ou não terem a melhor reputação”, diz António Nogueira Leite.

Em 27 instituições financeiras que fazem parte do índice setorial Stoxx Europe Banks e os três principais bancos britânicos, 18 bancos (60%) apresentavam-se com uma estrutura em que cerca de 90% do capital ou mais estava disperso em bolsa, de acordo com os dados da Refinitiv.

Esses eram os casos dos espanhóis BBVA, Santander e Sabadell, do francês BNP Paribas, dos italianos Banco BPM, Intesa Sanpaolo ou Unicredit e dos britânicos Lloyds, HSBC e Barclays, por exemplo. O free float do neerlandês ING e do italiano Finecobank é de 100%.

BCP tem um dos free floats mais baixos

Fonte: Refinitiv

Por seu turno, o francês Credit Agricole é o banco com o free float mais baixo: 32,87% das ações negoceiam livremente na bolsa enquanto aproximadamente 60% pertencem à cooperativa de bancos regionais.

A situação atual do BCP dá conta de um free float na ordem dos 60%. É o quarto banco europeu com o free float mais baixo, à frente apenas do Caixabank (dono do BPI), do Raiffeisen e do Credit Agricole. Se a Fosun acabar por alienar a sua posição de 20% no mercado e não outro parceiro de referência, o banco português passará a dispor de uma dispersão em bolsa na casa dos 80%.

O free float do BCP subirá para 100% caso a Sonangol também desinvista, como já deu entender.

(Notícia atualizada às 11h30 de 21 de março)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fosun e Sonangol de saída do BCP? Banca europeia vive sem acionistas de referência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião