Comissão de trabalhadores dos CTT reprova eventual venda do banco

  • Lusa
  • 23 Maio 2024

A Comissão de Trabalhadores dos CTT manifestou-se contra a eventual venda da totalidade do Banco CTT, depois de o líder da empresa ter admitido a hipótese de vender 100% do banco.

A Comissão de Trabalhadores (CT) dos CTT CTT 1,05% manifestou-se contra a eventual venda da totalidade do Banco CTT, sustentando que este “nasceu, cresceu e vive à custa” dos funcionários dos correios, cujo esforço lamenta estar a ser “traído”.

“O Banco nasceu, cresceu e vive à custa dos dedicados, zelosos e cumpridores trabalhadores dos Correios, que tudo deram de si para ampliar um valioso património que, infelizmente, começou a ser desbaratado desde o primeiro dia da privatização dos correios”, afirma a CT num comunicado.

Para esta estrutura, “os trabalhadores foram, e continuam a ser traídos no seu esforço e na sua missão de continuar a ‘levar a carta a Garcia’, apesar dos parcos meios humanos e materiais ao seu dispor”.

Na terça-feira, em entrevista à Bloomberg, o presidente executivo (CEO) dos CTT, João Bento, admitiu vender o Banco CTT na totalidade, referindo que os Correios estão a considerar “todas as possibilidades” e que um eventual movimento permitiria que a empresa se focasse no seu core principal, continuando a oferecer uma larga gama de serviços online através da sua rede de lojas.

Embora referindo não existir ainda nada de concreto em termos de uma potencial venda, o CEO disse que a sua “preferência” seria que os CTT continuassem a ser acionista minoritário no banco, uma vez que irá operar na rede de lojas dos Correios.

No comunicado divulgado na quarta-feira à noite, a CT dos CTT diz não ter “qualquer conhecimento” sobre esta situação, “a não ser o que leu nos órgãos de informação”, e destaca que, embora no dia em que a notícia foi difundida estivesse “em plena reunião com responsáveis da empresa”, o facto é que “nada foi comunicado sobre o assunto”.

“A ser verdadeira a notícia, estamos contra a venda daquela valência”, sustenta a organização representativa dos trabalhadores dos Correios, defendendo que “os governantes têm o dever e a obrigação de esclarecer todos os portugueses sobre o futuro do serviço público e universal de correios que, à semelhança de outros serviços, vão de mal a pior no que respeita à qualidade da prestação”.

Adicionalmente, refere, há que “tranquilizar os trabalhadores dos CTT, dando-lhes a garantia de que os postos de trabalho nunca estarão em causa” e que serão “preservados os investimentos na modernização de equipamentos e serviços”.

No entendimento da CT, a “ideia tática e subjacente à privatização dos Correios foi sempre a obtenção de uma licença para operar na área da banca, em simultâneo com os produtos financeiros já comercializados pelos CTT”, e “sem a certeza da obtenção daquela permissão, a privatização dos CTT nunca aconteceria”.

É nossa convicção que os ‘donos’ dos CTT se querem ver livres do setor postal, de cariz público e universal, e enveredar pelo caminho da alta finança e das encomendas expresso.

Comissão de Trabalhadores dos CTT

Quanto ao rápido crescimento do Banco CTT, salienta que só foi possível porque este “utilizou uma rede de lojas com cobertura a nível nacional”, “aproveitou o conhecimento dos trabalhadores dos correios”, “não pagava renda pela utilização das instalações” e “não custeava despesas correntes” como o papel, luz, água e equipamentos.

Ao mesmo tempo, o banco “fez proveito do horário de atendimento mais alargado, que coincidia com o do atendimento postal”, “não atendeu às muitas regras da concorrência, na cedência de cartões sem anuidade e na abertura de contas”, e “manteve a política de baixos salários, com recurso à polivalência dos trabalhadores da área postal”.

“É nossa convicção que os ‘donos’ dos CTT se querem ver livres do setor postal, de cariz público e universal, e enveredar pelo caminho da alta finança e das encomendas expresso”, considera a CT, lembrando que “o CEO dos CTT já referiu numa entrevista que o negócio se viraria para outras áreas de atividade e que, em relação às cartas, ‘entregariam umas poucas de vez em quando'”.

“A menos que os portugueses se desinteressem e, quem sabe, até abdiquem de um serviço público de correios, é tempo de questionar o Governo sobre o futuro dos Correios de Portugal e que plano há para dar continuidade e certeza a um preceito constitucionalmente estabelecido”, acrescenta.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Comissão de trabalhadores dos CTT reprova eventual venda do banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião