“Caixa deve gerar os resultados para devolver no futuro o dinheiro aos contribuintes”

O Estado injetou quase quatro mil milhões de euros na Caixa, em 2016. Paulo Macedo quer que o banco público gere lucros para devolver o dinheiro aos contribuintes.

Nunca ninguém perguntou a Paulo Macedo quando é que a Caixa Geral de Depósitos deve começar a devolver os quatro mil milhões de euros que recebeu do Estado em 2016, no âmbito do plano de recapitalização. Mas é objetivo do banco público continuar a dar lucro — como deu em 2017 — e a dar dividendos aos contribuintes no futuro.

Em entrevista ao ECO24, Paulo Macedo disse que o regresso aos lucros um ano antes do previsto não foi obra de “varinha mágica”, mas antes o resultado do trabalho conjunto entre administração, diretores e trabalhadores.

Com a recapitalização, espera-se que a Caixa devolva em dividendos ao próprio Estado esse esforço dos contribuintes. Antecipou em um ano os lucros face ao que estava no plano. É possível antecipar aquilo que é a distribuição de dividendos ao Estado?

É a primeira pessoa que me faz essa pergunta. Nunca ninguém perguntou quando é que se devolve o dinheiro ao Estado e aos contribuintes.

Mas quer devolver?

Como contribuinte, é o que esperaria. Só há uma razão para não haver devolução do dinheiro aos contribuintes: se houver mais exigências de capital. Os bancos precisaram de uma parte dos aumentos de capital para fazer face a prejuízos. Outra parte dos aumentos de capital foi necessária apenas por questões regulamentares. Foi necessário ter muito mais capital. Há uma parte do capital que todos os bancos precisaram para fazer face aos novos requisitos regulatórios. Nesse sentido, se houver novos requisitos regulatórios, a Caixa, para manter a sua atividade e a sua relevância, tem de ter esse capital. Caso contrário, a Caixa deve gerar os resultados para poder devolver no futuro esse dinheiro aos contribuintes.

Mas é expectável que em 2018 apresente resultados para que em 2019 possa começar a devolver esse dinheiro aos contribuintes?

Essa é uma questão com o acionista e que não está prevista no plano. O plano estratégico prevê rentabilidades acima de 5%, o que não é nada de especial, prevendo em 2020 uma rentabilidade de 9%, o que já é bastante significativo. Isto quer dizer que a Caixa vai ter de gerar resultados positivos de centenas de milhões de lucros por ano. Se não gerar, estará abaixo daquilo que são as condições do plano e daquilo que é exigido em termos do que foi acordado entre o Estado e a União Europeia.

Paulo Macedo lembra que a “Caixa registou menos imparidades do que aquelas que o mercado estava à espera”.Paula Nunes/ECO

Como passou de prejuízos a lucros um ano antes do planeado? Há uma varinha mágica ou é um novo tipo de gestão?

Varinha mágica não há de certeza. Há um trabalho conjunto do conselho de administração, dos diretores da Caixa e dos seus colaboradores. Mas há, de facto, diferenças. Desde logo, temos um plano estratégico claríssimo. É conhecido. Há um rumo muito claro em termos de atividade nacional e de racionalização em algumas operações no exterior. Há um assumir do emagrecimento da estrutura, ao mesmo tempo em que há uma ambição de manter uma posição muito relevante no mercado nacional, nomeadamente junto das famílias, onde somos líderes de mercado, mas também junto das empresas.

Mas isso é uma quadratura do círculo.

Não é propriamente uma quadratura do círculo. A Caixa tem coisas que não estavam bem e precisavam de ser melhoradas, mas há coisas que a Caixa tinha muito bem. A Caixa é uma marca formidável. A Caixa tem o apreço da generalidade dos portugueses. As pessoas gostam da Caixa. Tem também uma proximidade, uma expressão geográfica e tem também a confiança dos portugueses ao longo de décadas, de mais de um século. Portanto, a oportunidade de poder construir sobre isso é uma vantagem.

O problema da Caixa tem sido o elevado montante de malparado, crédito que foi concedido sem garantia em alguns casos ou que a economia perdeu. O que fez a Caixa para reduzir o malparado em 2017 num montante de 2,7 mil milhões de euros?

Uma das condições para o aumento de capital da Caixa não ser considerado uma ajuda de Estado, foi fazer esse aumento nas mesmas condições de um investidor privado. Houve a necessidade de rever um conjunto de ativos e de acautelar que este novo capital não fosse diluído e que as imparidades estivessem corretas. Isso foi feito e ficou registado a 31 de dezembro de 2016. Houve uma parte que foi subjacente à própria recapitalização e com um registo significativo de imparidades.

Não foi excessivo logo aí? A Caixa não registou mais imparidades do que aquelas que necessitava?

A Caixa registou menos imparidades do que aquelas que o mercado estava à espera e do que tinha sido anunciado, teve um resultado negativo menor do que aquele que estava estimado e, por consequência disso, teve um aumento de capital do Estado menor do que estava previsto. A Caixa fez logo um ajustamento de início para que não fossem necessárias imparidades tão elevadas e não fosse necessário ter um resultado negativo tão elevado.

Agora, há uma coisa que é certa: o resultado da Caixa depende fortemente do desempenho da economia portuguesa. O maior banco português depende das condições das famílias e das empresas portuguesas. Há um benefício claro para a Caixa como para os outros bancos e para a generalidade dos agentes económicos: temos um maior crescimento económico do que estava previsto há 14 meses e as previsões de então eram mesmo muito diferentes.

  • Paula Nunes
  • Fotojornalista

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“Caixa deve gerar os resultados para devolver no futuro o dinheiro aos contribuintes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião