Caravela quer uma fusão com a Lusitania do Montepio

Luis Cervantes, presidente da Caravela, anuncia o seu interesse numa fusão com a Lusitania. Capitalizada, por entrada de dinheiro de acionistas e pelos lucros, a seguradora quer crescer depressa.

Luís Cervantes é uma das referências na indústria portuguesa de seguros. Licenciado em economia pela FEP, e pós-graduado pela Católica de Lisboa, esteve na banca até ingressar na Tranquilidade em 2004, de onde passou para a AXA. Foi administrador da corretora Sabseg e, desde 2017, preside à Caravela.

Em entrevista a ECOseguros fala do interesse da Caravela em fazer parte de uma solução para a Lusitania, da importância de ser uma companhia portuguesa, do acrescento que o novo acionista financeiro trouxe, da vontade e dos modos de crescer e, claro, sobre a crise pandémica.

O Covid-19 é incontornável enquanto tema do momento. De algum modo esta crise atrasou ou alterou os planos?

Claro que sim. O drama de saúde pública que estamos a viver vai transformar-se inevitavelmente num drama social e económico. A Caravela iniciou um forte investimento em 2019 para melhor servir o segmento de PME que já estava a dar resultados. Após um ano de 2019 onde crescemos 28%, no primeiro trimestre de 2020 vamos crescer 30%. Porém, a desaceleração nestas duas últimas semanas é muito significativa, o que nos obriga a mudar de tática sem perdermos o objetivo estratégico de afirmação da Caravela no setor segurador em Portugal.

Após um ano de 2019 onde crescemos 28%, no primeiro trimestre de 2020 vamos crescer 30%. Porém a desaceleração nestas duas últimas semanas é muito significativa, o que nos obriga a mudar de tática.

Quais foram as principais mudanças operadas?

Desde logo, colocando como prioridade absoluta a saúde dos colaboradores e seus familiares: temos 95% da empresa em Teletrabalho. E só não é 100% porque as regras do Estado de Emergência colocam o Atendimento do Setor dos Seguros como prioritário, pelo que temos as nossas delegações de Lisboa, Porto, Leiria e Faro abertas ao público.

Por outro lado, não sendo possível a presença física junto dos nossos mediadores, a estrutura comercial da Caravela teve que inovar para estar próxima, mesmo que à distância, tirando todo o partido das ferramentas digitais que fomos desenvolvendo nos últimos anos.

Também foi necessário desenvolver ações conjuntas com os nossos mediadores para a massificação da utilização pelos clientes das soluções digitais. O MyCaravela permite que os nossos clientes realizem as operações em Self-Service, num contexto em que são difíceis as deslocações.

Que soluções estão a preparar para responder a esta crise?

Não queremos deixar nenhum cliente para trás. Cada caso é um caso, mas estamos já a desenvolver ações para apoiar os clientes nesta fase difícil, de forma a surgirem mais fortes quando retomarmos em pleno a atividade económica. Também estamos a discutir com os nossos parceiros de negócio soluções que permitam manter os seus planos de expansão e crescimento, garantindo em pleno toda a capacidade para estar próximo do mercado.

Houve um aumento de capital em 2019, mas os acionistas nacionais ficaram com 52% da companhia. Ser uma Seguradora Portuguesa é importante?

É importante na medida em que os nossos clientes e parceiros de negócio nos vejam como uma seguradora cujo principal mercado é o português. Que pretende servir as famílias portuguesas e as empresas que operam no mercado nacional. Num contexto de crise, estes valores são muito importantes. No pós-crise de 2011 tivemos algumas Seguradoras Internacionais que decidiram sair do mercado português, como foi o caso da AXA e da Groupama.

Quando apareceu o ToscaFund como parceiro da Caravela?

Pode dizer-se que em 2019 concretizou-se um casamento que resultou de um profundo conhecimento que se estabeleceu entre a gestão da Caravela e a gestão do ToscaFund desde 2015, e que permitiu desenvolver um conjunto alargado de iniciativas. Relembro que em 2015 a Caravela esteve na corrida para a compra da AXA e em 2016, na disputa da Açoreana, sempre com o apoio dos gestores do ToscaFund.

Que contribuição trouxe o investidor ao negócio?

Desde logo a presença do ToscaFund no setor financeiro europeu permitiu à Caravela integrar uma network de empresas que estão a desenvolver modelos de negócio inovadores em Inglaterra, França, Itália, Grécia e Espanha.

Depois, o reforço de capital deixa-nos robustos para uma estratégia de crescimento. O resultado líquido em crescimento sustentado desde 2015, um nível de rácio combinado de 94,5% e um nível de solvência II de 202% permitem-nos, apesar da crise que em dezembro de 2019 ninguém imaginava, enfrentar os desafios do futuro próximo com grande confiança.

Os momentos de crise trazem sempre à tona os problemas que têm vindo a ser arrastados. Existirão sempre Multinacionais que equacionam se fará sentido ou não ficar no mercado português

Qual a estratégia de crescimento a seguir?

Para além de reforçar a relação com clientes e parceiros de negócio, estaremos sempre atentos a eventuais oportunidades de aquisição. Os momentos de crise trazem sempre à tona os problemas que têm vindo a ser arrastados. Existirão sempre multinacionais que equacionam se fará sentido ou não ficar no mercado português. Temos verificado alguns movimentos que ilustram o que acabei de referir.

Também no setor do mutualismo a crise vai fazer-se sentir. Nos últimos anos temos vindo a observar constantes reforços de capital na Lusitania. Considerando este facto, associado aos problemas públicos e conhecidos ao nível da Associação Mutualista Montepio Geral, uma hipotética fusão da Caravela com a Montepio Seguros reforçaria a portugalidade na Indústria Seguradora Nacional.

A Lusitania é concretamente um alvo de interesse?

Gostaríamos muito fazer parte da solução.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caravela quer uma fusão com a Lusitania do Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião