Antas da Cunha Ecija funde-se com a Vieira Advogados. Foco? Direito digitalpremium

A Antas da Cunha apostou numa união de negócio com a Vieira Advogados. À Advocatus, Fernando Antas da Cunha e Nuno Vieira explicam as razões deste 'casamento', estreando a rubrica “sociedade do mês".

Direito digital. Esta área de negócio é a razão da mais recente união no mapa dos escritórios de advogados. A Antas da Cunha ECIJA acaba de se fundir com a Vieira Advogados com o foco nessa área do direito.

“A Vieira Advogados é o parceiro certo, na hora certa. Dificilmente, no mercado português, encontraríamos um projeto que casasse tão bem com o nosso”, explica Fernando Antas da Cunha. O advogado recebeu a Advocatus no seu escritório – situado na Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa – logo após a nomeação de mais um sócio, João Moraes Vaz, da área de imobiliário e comercial – juntamente com o seu novo sócio Nuno Vieira.

“A Antas da Cunha tem uma estrutura diferenciada e vai-me dar a capacidade de implementar, no espaço de um ano, todos os projetos que se calhar não conseguiria sozinho em menos de dez anos”, explica Nuno da Silva Vieira, em conversa com a Advocatus.

A Antas da Cunha tem uma estrutura diferenciada e vai-me dar a capacidade de implementar, no espaço de um ano, todos os projetos que se calhar não conseguiria sozinho em menos de dez anos.

Nuno da Silva Vieira

Sócio da Antas da Cunha ECIJA

Este passo surge pouco mais de dois anos após a fusão da Antas da Cunha com a sociedade espanhola Ecija. “As coisas na Antas da Cunha estavam a começar muito bem, após a saída da Miranda, até que começa a aparecer o famoso RGPD (Regulamento Geral de Proteção de Dados) e como quase ninguém percebia nada do assunto, pensei em criar um departamento especializado”, sublinha Fernando Antas da Cunha. “E falaram-me de um escritório espanhol ECIJA que estaria interessado em ter um parceiro. Gostei da dinâmica e lá fui eu falar com os sócios: entre a primeira conversa e a fusão foram só seis meses”.

Sendo que o primeiro projeto que o escritório começou a fazer nesta área da proteção de dados, o da EDP, foi “gigante” e foi “talvez o mais complexo no que toca a proteção de dados e a partir daí conseguimos posicionar o escritório”. E o Nuno (Vieira) aparece aqui, neste contexto de querer explorar esta área de negócio do direito digital”.

Fundada em 2012 por Nuno da Silva Vieira, a Vieira Advogados é uma “boutique” de Direito Empresarial e Direito Penal Económico, com sede em Braga e com know-how na área de TMT – Tecnologia, Media e Telecom. “Quando conheci o Nuno percebi imediatamente que este desfecho seria inevitável. Quando se comunga dos mesmos valores e se tem a mesma ambição – a de praticar uma advocacia de proximidade, fora da caixa e com real valor acrescentado para o cliente -, é tudo muito fácil. Foi o caso!”.

Com esta operação transitam para a Antas da Cunha Ecija, seis advogados e dois administrativos. No ano em que comemora o seu 5º aniversário, a firma vê também reforçado o seu número de sócios, com a inclusão de Nuno da Silva Vieira.

Há poucas sociedades de advogados em Portugal com a dimensão humana, a qualidade técnica, a cultura societária e o espírito empreendedor que esta tem. Com uma prática “full-service” tem vindo a especializar-se numa área que há muito defendo ser crítica para as empresas e para os gestores. O direito digital é uma das áreas do direito em ascensão no mercado jurídico e ao longo dos últimos anos acompanhámos de perto a sua evolução e estivemos envolvidos em inúmeros projetos, em Portugal e no estrangeiro. Acumulámos experiência e conhecimento. É essa experiência e esse conhecimento que queremos e iremos colocar ao serviço desta casa”, concluiu o advogado de Braga.

Há poucas sociedades de advogados em Portugal com a dimensão humana, a qualidade técnica, a cultura societária e o espírito empreendedor que esta tem.

Fernando Antas da Cunha

Managing partner da Antas da Cunha ECIJA

Isabel Araújo Costa e Daniela Guimarães, sócias da Vieira Advogados, irão, respetivamente, reforçar a área de prática de Direito Laboral da Sociedade e liderar a recém-criada área de prática de Direito Europeu e Contencioso Financeiro. Com a extensão da sua atividade ao Minho, a Antas da Cunha Ecija fortalece a sua presença a norte (onde já possui um escritório – no Porto) e fica mais próxima do cluster tecnológico da região.

Escritório destacado no TTR

A Antas da Cunha Ecija foi destacada pelo diretório TTR na área de fusões e aquisições em Portugal, no ano de 2019. A sociedade ocupa o segundo lugar do ranking, com um total de 31 operações, logo a seguir à PLMJ. Porém, em valor dessas operações, o top 3 pertence à Morais Leitão, Uría Menéndez – Proença de Carvalho e à Cuatrecasas.

Amílcar Silva, Of Counsel da Antas da Cunha Ecija, destacou-se como o advogado que acompanhou o maior número de transações, com um total de 17. Fernando Antas da Cunha, managing partner, ocupa a sétima posição da tabela. Os advogados Tiago Picão de Abreu, João Antunes Rodrigues e Margarida Asseiceira são apontados como “Rising Stars Dealmakers”. De salientar ainda o sétimo lugar atribuído à sociedade, no que respeita ao número de transações em private equity e venture capital.

Vieira Advogados com duas novas sócias

Em outubro de 2019, a Vieira Advogados nomeou recentemente duas novas sócias. As advogadas promovidas foram Daniela Guimarães e Isabel Araújo Costa.

Daniela Guimarães, que integra a sociedade desde 2015, centra a sua prática nas áreas de direito público e de direito da concorrência. Por sua vez, Isabel Araújo Costa reforçou a Vieira Advogados em 2016 e integra as áreas de direito laboral e de direito financeiro.

A atribuição do estatuto de ‘sócio’”, a ambas “não só tem como objetivo premiar o trabalho que têm vindo a desenvolver nas suas respetivas áreas de atuação, como visa reconhecer publicamente o importante contributo que ambas têm dado no posicionamento da Vieira Advogados como uma “legal boutique” de referência no panorama jurídico nacional e internacional”, refere Nuno da Silva Vieira, managing partner.

Em julho, a Vieira Advogados assessorou a KICK SOCCER COIN (“KSOC”) no âmbito da parceria estabelecida, para a época 2019/2020, com o Club Deportivo Leganês, da “La Liga” Espanhola.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Antas da Cunha Ecija funde-se com a Vieira Advogados. Foco? Direito digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião