Como é que se “rouba” o lugar dos presidentes das maiores empresas nacionais? Eles próprios explicam

É unânime. Inspirar os outros, ter uma visão estratégica e inteligência emocional são algumas das características fundamentais para se chegar a um cargo de topo, juntamente, claro, com alguma "sorte".

Se dos planos mais ambiciosos de alguns jovens faz parte assumir a liderança de uma grande empresa, então há que começar já a pensar no percurso que culminará no cargo de CEO ou presidente. Mas, como é que se chega ao topo, à cadeira de António Mexia, na EDP, de Carlos Gomes da Silva, na Galp, ou de Miguel Frasquilho, na TAP?

O ECO foi à feira de emprego da ISCTE Business School (IBS), onde os líderes de algumas das maiores empregadoras do país se sentaram num pequeno-almoço com os estudantes, saber quais os conselhos daquelas que são as melhores pessoas para responder a esta questão. Quem? Os próprios presidentes e CEO.

O fator sorte é inegável para todos eles, mas é preciso muito mais do que isso. Ainda que António Gomes Mota considere que, muitas vezes, o sucesso é “fruto das circunstâncias em que atua, das características da empresa e da indústria e dos desafios que há pela frente”, o presidente do conselho de administração dos CTT reconhece que há alguns traços comuns aos CEO bem-sucedidos, como, por exemplo, a visão estratégica, a determinação e a assertividade.

António Mexia, CEO da EDP, assegura que uma das mais-valias é a diversidade de experiências. “A exposição de contactar com várias realidades, executar projetos em áreas de negócio diferentes, desempenhar funções com conteúdos distintos e trabalhar com pessoas de outros backgrounds académicos e culturais permite ganhar uma visão estratégica e global, decisiva num perfil de CEO”, explica, ao ECO.

"Procuramos também jovens que antecipem a mudança num contexto de incerteza (…) com uma enorme vontade de aprender e de serem desafiados constantemente, saindo da sua zona de conforto.”

António Mexia

EDP

Na EDP, por exemplo, são valorizadas pessoas alinhadas com os valores da empresa, sublinha o presidente executivo, mas não só. “Valorizamos pessoas com iniciativa, confiança, excelência, sustentabilidade e inovação. Procuramos também jovens que antecipem a mudança num contexto de incerteza, que saibam trabalhar em equipa num mundo global, que entreguem resultados num ambiente competitivo e que sejam curiosos, com uma enorme vontade de aprender e de serem desafiados constantemente, saindo da sua zona de conforto”.

“Sair da zona de conforto” é um dos conselhos de António Mexia, presidente da EDP.Paula Nunes/ECO

Gomes Mota salienta que um líder deve ter, além “da capacidade de antecipar desafios e obstáculos, a resiliência perante ambientes adversos”, tal como deve, a par disso mesmo, saber relacionar-se com os outros e inspirar comportamentos.

Ser um exemplo marca e inspira os outros e faz com que nos queiram seguir.

Miguel Pina Martins

Fundador e CEO da Science4You

Para Miguel Pina Martins, fundador e CEO da Science4You, inspirar os outros é mesmo uma virtude fundamental para qualquer CEO. “Ser um exemplo marca e inspira os outros e faz com que nos queiram seguir”, afirma. Esse exemplo deve passar pela capacidade de agradecer e, também, pelo reconhecimento, que considera ser um fator “prioritário na gestão de pessoas”.

Seja a liderar o mundo dos brinquedos ou o setor da hotelaria, José Theotónio, CEO do Pestana Hotel Group, salienta que as soft skill adquiriram uma enorme importância. Isto porque “os conhecimentos técnicos vão-se aprendendo, assim como as capacidades de gestão”, justifica. Contrariamente, há determinadas qualidades que o colaborador, para chegar ao topo, deve ter a priori.

É o caso da “inteligência emocional, humildade para aprender com os outros e saber reinventar-se”. Conselhos que vão ao encontro das palavras de Miguel Frasquilho, presidente do conselho de administração da TAP.

Miguel Frasquilho, presidente do conselho de administração da TAP, uma das maiores empregadoras e exportadoras do país.Hugo Amaral/ECO

“Os conhecimentos são, obviamente, importantes, mas ganham-se ao longo da vida. Quando uma pessoa inicia funções, seja em que setor for, não nasce ensinada, vai aprendendo e evoluindo”, diz. No entanto, para chegar a um alto cargo, “há um fator que é transversal e que parece muito simples e óbvio, apesar de, às vezes, ser muito difícil de ter. [Falo do] bom senso”, refere Miguel Frasquilho.

Carlos Gomes da Silva, CEO da Galp, deixa, também, um conselho aos futuros líderes: “Ajuda, e muito, desenvolver e cultivar interesses que vão muito além do ecossistema profissional, abrindo outras perspetivas e novos horizontes”.

Carlos Gomes da Silva, CEO da Galp.

Mexia concorda. E diz que o desafio é, não só dos aspirantes a trabalhadores como das próprias empresas. “É o apogeu da diversidade e inclusão. As formas de trabalhar estão a mudar e o ambiente tem de ser mais ágil e flexível para responder às necessidades cada vez mais exigentes destas novas gerações através de novas formas de colaboração. No futuro, será cada vez mais comum trabalhar por projetos, com equipas multidisciplinares e em colaboração com todo o ecossistema interno e externo”, assinala.

Pés assentes na terra. O primeiro passo é entrar na empresa

A verdade é que o percurso profissional de muitos recém-licenciados ainda agora começou e, para já, o que é preciso é ser — num mercado de trabalho que é cada vez mais competitivo e global — o candidato selecionado. Mas, segundo estes presidentes e CEO, tudo se torna mais fácil com atitude, empenho e humildade.

Miguel Pina Martins diz que para trabalhar na empresa de brinquedos didáticos é preciso ser “uma pessoa muito empenhada, que consiga atingir todos os objetivos a que se propõe”. Mas não só. Há que ir mais longe e fazer mais do que o esperado. “Cumprir os objetivos definidos não chega, temos de querer mais. Ter uma atitude positiva e negar sempre o pessimismo”, acrescenta.

José Theotónio diz que se trata, precisamente, de atitude. Para entrar no grupo Pestana há que ter “predisposição para abraçar com disponibilidade e humildade novos e permanentes desafios“, afirma. “Também é importante a capacidade de trabalhar em equipas multidisciplinares, a curiosidade e vontade de aprender”, continua.

“O mercado de trabalho está muito ativo, existindo uma forte procura de talento no setor das tecnologias de informação. A SAP, em Portugal, está essencialmente a recrutar jovens talentos. Procuramos jovens com uma atitude positiva e que continuamente queiram se superar e abraçar novos desafios. (…) Valorizamos o saber trabalhar em equipa, lateral thinking, pró-atividade, iniciativa, constante curiosidade e disponibilidade para viajar”, detalha Luís Urmal Carrasqueira, diretor-geral da SAP.

Já nos currículos, a média e a instituição de ensino também fazem diferença, ainda que em tempos tenham sido já mais valorizadas do que agora. José Gonçalves, presidente da Accenture Portugal, afirma que, se por um lado é importante “ser um aluno acima da média, proveniente das melhores instituições de ensino”, por outro a vida pessoal também influencia. Quanto mais “rica e interessante”, melhor.

“A performance académica é apenas o ponto de partida. Dispor de uma experiência de vida pessoal diversificada, evidenciando capacidade para lidar com a mudança e com novos desafios, são, igualmente, aspetos que valorizam uma candidatura”, refere o presidente do conselho de administração dos CTT.

"A performance académica é apenas o ponto de partida. Dispor de uma experiência de vida pessoal diversificada, evidenciando capacidade para lidar com a mudança e com novos desafios são, igualmente, aspetos que valorizam uma candidatura.”

António Gomes Mota

Presidente do conselho de administração dos CTT

Diogo Alarcão, CEO da Mercer Portugal, afirma que a média (de final de curso) já não é, de todo, o fator mais relevante no momento de seleção de candidatos. “Durante muito tempo, a média era muito importante. Hoje em dia, para nós, há critérios mais importantes, desde logo a inteligência emocional. Pessoas que conseguem viver em situações diferentes, não só numa lógica meramente racional, mas também emocional”, explica.

IBS Career Forum no ISCTE - 06FEV19
Diogo Alarcão, CEO da Mercer Portugal, considera que a inteligência emocional e a resiliência são características muito importantes.Hugo Amaral/ECO

Por outro lado, também as experiências além da universidade podem, muitas vezes, “justificar” médias que não sejam tão altas. “Experiências de empreendedorismo, de voluntariado ou no estrangeiro são as que nos dão mundo”, continua o CEO da Mercer Portugal.

A experiência internacional conta

As experiências internacionais, em especial, são cada vez mais valorizadas e, até mesmo, desejáveis. “Hoje, os jovens devem estar preparados para, não uma concorrência local mas para uma concorrência global. Têm de olhar para o mercado de trabalho, não apenas como o mercado de trabalho português. O mundo é o lugar a que se estão a candidatar”, relembra Frasquilho.

“[Os jovens] têm de olhar para o mercado de trabalho, não apenas como o mercado de trabalho português. O mundo é o lugar a que se estão a candidatar”

Miguel Frasquilho

Presidente do conselho de administração da TAP

Para entrar no setor aéreo — que tem precisamente “como grande virtude aproximar povos, culturas e experiências” — é preciso ter espírito aberto e “perceber que quanto maiores os horizontes e perspetivas, mais rica a pessoa fica e, portanto, maiores probabilidades de chegar mais longe“, continua.

Já José Gonçalves, por sua vez, salienta que, além de global, os recém-formados têm pela frente um mercado de trabalho muito competitivo. Por um lado, porque “o talento é escasso” e, por outro, porque “os desafios colocados aos candidatos são cada vez mais exigentes”.

Mas a oportunidade pode estar precisamente aí. “As empresas estão aqui porque não há mão-de-obra disponível para o que é preciso de crescimento. Portanto, estes rapazes e raparigas estão com uma empregabilidade como já não existia há anos”, afirma Diogo Alarcão. E, se a procura é maior do que a oferta, “assistimos a um incremento salarial”. “As empresas começam a pagar um bocadinho mais, o que também são boas notícias”, acrescenta o CEO da Mercer Portugal.

Percorra a fotogaleria do pequeno-almoço no ISCTE, que juntou mais de 40 presidentes e CEO de algumas das principais empregadoras nacionais.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Como é que se “rouba” o lugar dos presidentes das maiores empresas nacionais? Eles próprios explicam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião