Construir equipas com sustentabilidade

Organizam sessões de team building com um objetivo: melhorar o impacto que cada um tem no mundo. E isso levou a Fuga Perfeita a tornar-se a primeira empresa de eco-team building em Portugal.

Preparar um brunch para os colegas de trabalho e com a preocupação de produzir o menor desperdício possível. “O que cozinhar?”, “em que quantidade?” e “como não desperdiçar comida?” são algumas das questões em cima da mesa e discutidas pelas equipas. É este o desafio do dia, numa das atividades de team building ecológico que a Fuga Perfeita, a primeira empresa de atividades verdes para empresas, criou a pensar nos desafios à medida das equipas que por lá passam.

A ideia do negócio da empresa começou com uma vontade valorizar a cultura portuguesa. O projeto nasceu em 2014 como empresa de team building e programas como, por exemplo, um jantar medieval em forma de jogo. “As equipas eram representantes de uma família e apresentavam-se ao rei para provar que mereciam entrar na sua corte”, exemplifica Sofia Fonseca, 49 anos que, com Fátima Dinis, fundou a empresa. Outro exemplo é um concurso de ajudantes de detetive, em que os participantes ajudam a adivinhar quem matou a vítima, as razões pelas quais morreu, assim como a reconstrução de todo o cenário.

“Na altura podia ser feito numa perspetiva de team building, fazia todo o sentido criar o efeito cultural, mas numa perspetiva mais divertida”, justifica a cofundadora.

Team building em forma de orientação.D.R.

No arranque, foi fundamental para a alavancagem do projeto uma parceria que a empresa criou de imediato com as Pousadas de Portugal. “Nós, como eles, queremos criar experiências autênticas e essa parceria foi uma grande alavanca”, sublinha Sofia. Inicialmente com três áreas de negócio – animação temática, turismo cultura e team building – a empresa decidiu, em 2010, abrir uma quarta área de ação dedicada à responsabilidade social e ambiental. Foi, a partir daí, que surgiu a ideia de desenvolver projetos para organizar dinâmicas de equipas de trabalho mais ligadas à sustentabilidade e ao ambiente, mas que só veria materialização em 2019.

"Precisamos de mudar hábitos, mas também de tempo para pensar em como mudar esses hábitos.

“Começou como uma questão social: comecei a perceber a necessidade de, como indivíduos, termos uma atitude mais responsável”, conta Sofia à Pessoas. Entendendo que não era a única com esta consciência, começou a tentar desconstruir necessidades, sobretudo devido às dificuldades sentidas no seu dia-a-dia de adaptação a uma lógica mais sustentável do ponto de vista ambiental. “Uma coisa é pensar e outra é fazer. A dificuldade de implementar é muito grande”, garante.

A ideia das atividades da Fuga Perfeita passou a ser permitir às pessoas perceber e tentar criar novos hábitos em matéria de produção de lixo, por exemplo. Por isso, não foi difícil chegar a uma fórmula que permite, por exemplo, recolher o lixo produzido durante um dia numa empresa e, um dia, distribuí-lo, dentro de um saco, ao seu “produtor”, de maneira a que estes percebam a quantidade de resíduos pela qual são responsáveis. “Criamos sempre uma história à volta da atividade. Neste caso, a ideia é tentar dar o máximo de aplicação a esse lixo”, explica a responsável.

Mas a missão da Fuga Perfeita não se encerra em trabalhar, em contexto de empresa, marcas da cultura já muito instituídas. “Queremos ir ao início da cadeia, explorar as razões do ato de compra, até ao fim da cadeia. (…) Precisamos de mudar hábitos, mas também de tempo para pensar em como mudar esses hábitos”, explica a responsável.

Com três áreas de negócio, a Fuga Perfeita decidiu criar uma quarta área de ação dedicada à responsabilidade social e ambiental.

Foi por isso também que percebeu que uma maneira de chegar aos individuais era através da área corporativa. “Já existia esta necessidade no mercado, mas ainda muito virada para a responsabilidade ambiental, em atividades como plantar árvores, por exemplo”.

Atividades de trabalho em equipa têm como limite a imaginação.D.R.

E não se pense que os principais “clientes” destes programas são os departamentos de recursos humanos das empresas. O que mais requisitam os serviços da Fuga Perfeita são as secretarias das administrações e os departamentos de marketing das empresas, sendo apenas “pontualmente” contactados pelas áreas de gestão de pessoas.

No que respeita a preços, as atividades começam nos 25 euros por pessoa e podem ser adaptadas a um máximo, que varia dependendo do tipo de projeto. No entanto, a Fuga Perfeita já organizou team buildings para um grupo de 600 pessoas. “É possível fazermos as atividades em todo o país e os locais podem ser propostos por nós ou até sugeridos pelos clientes”, declara.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Construir equipas com sustentabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião