Investir numa nova carreira nas tech. Oportunidades que começam no ensino alternativo rumo a um melhor saláriopremium

Há escolas que nem a idade, nem a inexistência de noções de código são impeditivo para uma carreira nas tech. E empresas que garantem a retenção de talento, dando-lhes oportunidade de reconversão.

Gabriela Maciel, 27 anos, licenciada em engenharia ambiental. Fez um intercâmbio de um ano em Turim (Itália), deu aulas de matemática durante dois anos e, depois de se ter casado, a brasileira decidiu mudar-se para Portugal com o marido. A ideia inicial era fazer um mestrado em engenharia ambiental, mas o caminho acabou por ser diferente: decidiu explorar o seu interesse pela análise de dados e programação, e candidatou-se à escola 42 Lisboa. Objetivo? Dar um novo rumo à sua carreira. E não é a única profissional a apostar na formação para uma mudança de vida. E, muito provavelmente, um melhor salário. Na 42 Lisboa não há limite de idade, nem outros requisitos académicos ou de experiência, para apresentar candidatura a esta escola de programação, mas é preciso, em primeiro lugar,

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos