Lugares de topo das firmas começam a ser ocupados por mulherespremium

Se até 2020 existiam apenas duas managing partners de firmas no feminino, 2021 está a ficar marcado por uma mudança. Inês Sequeira Mendes, Mónica Moreira e Paula Gomes Freire assumem novos lugares.

No setor da advocacia, só em 1918 é que foi permitido às mulheres o direito de acesso à advocaciaatravés da publicação de um diploma. Segundo os últimos dados da Pordata, em 2020 existiam 18.224 mulheres inscritas na Ordem dos Advogadose 14.891 homens. Ainda assim, como em quase todas as profissões e empresas, nos cargos de liderança das firmas de advogados, o número de mulheres no lugar de topo é reduzido.Apenas quatro advogadas estão a ocupar o cargo demanaging partner:Maria João Ricou na Cuatrecasas, Mafalda Barreto na Gómez-Acebo & Pombo (GA_P), Inês Sequeira Mendes na Abreu Advogados e Mónica Moreira na CTSU. Em fevereiro de 2022, Paula Gomes Freire assumirá o cargo demanaging partnerda Vieira de Almeida (VdA), substituindo João Vieira de Almeida. Segundo dados do Eurostat

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos