Se tivesse uma “bazuca” de 13,9 mil milhões a fundo perdido, o que faria? Cinco pessoas respondempremium

Transição digital na saúde e na educação, renováveis e biotecnologia são algumas das áreas prioritárias para investir com a "bazuca" europeia, segundo profissionais de vários setores ouvidos pelo ECO.

O Governo apresentou, na sexta-feira, a versão final do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para aceder às verbas comunitárias pós-crise da Covid-19. Transição digital na saúde e na educação, energias renováveis e biotecnologia, são algumas das áreas prioritárias para investir no âmbito desta "bazuca" europeia, segundo os profissionais de vários setores ouvidos pelo ECO. Já para a cultura e para a restauração, os apoios destinados parecem insuficientes face ao que perderam com a pandemia. No âmbito deste programa, que prevê 19 componentes que integram 36 reformas e 77 investimentos nas áreas sociais, clima e digitalização, Portugal vai receber 16.643 milhões de euros, dos quais 13.944 milhões de euros financiados através de subvenções(dinheiro a fundo perdido) e 2.699 milhões de

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos