É preciso fazer (mais) alguma coisa

Perante o atentado terrorista de Barcelona, mais um, o oitavo atropelamento numa cidade europeia no último ano com o objetivo de matar, há alternativa a admitir um Estado mais intrusivo?

Outra vez. A oitava no último ano. Um atentado terrorista numa capital europeia a fazer vítimas mortais e muitos feridos. Outra vez com o que já não é uma nova forma de atentado. Um carro a varrer quem lhe aparece à frente. E amanhã vamos dizer que ‘somos todos Barcelona’ e que é preciso manter o nosso estilo de vida, continuar a sair à rua como se nada fosse. Mas é. Hoje, milhares voltaram às Ramblas. Mas isso resolve alguma coisa? Mostra coragem, empenhamento no nosso modo de vida, mas não resolve nada.

  • • Já tem a aplicação do ECO no seu telemóvel? Pode fazer aqui o download em iOS ou Android.

Como qualquer um que esteja a ler este texto, também quero poder sair à rua descansado, sem medo. Também quero estar descansado se as minhas filhas estiverem com amigos numa qualquer rua movimentada do centro da minha cidade, ou de qualquer outra. Já não é possível. É possível conviver com isso, não é possível esquecer. E isso leva-nos para o que podemos e devemos fazer para limitar os riscos de que isso volte a suceder.

Mudei de opinião. Oito atropelamentos num ano dizem-nos alguma coisa. Eles querem acabar com a nossa vida, mudaram de método, de ‘modus operandi’, nós também temos de o fazer. Com mais segurança. E com mais intrusão do Estado nas nossas vidas. Não tenho outra alternativa e gostava que me mostrassem que há outro caminho. Porque não gosto da posição que defendo hoje. E gostava de acreditar que podemos, nós, ajudar a resolver os problemas na origem, nos países e regiões que, nas suas circunstâncias, formam os terroristas. Não acredito.

Sou jornalista. Nunca fiz outra coisa. E se há coisa sagrado é o segredo profissional, o segredo das fontes. Sucessivamente, o Estado vai tendo mais poderes de acesso a informação, a última das mudanças foi, aliás, promulgada recentemente pelo Presidente da República. O acesso a informação de comunicações por parte do Serviços de Informação, o SIS, conhecidos como ‘metadados’. Admitir que uma conversa telefónica de um jornalista na rua possa ser captada e gravada – “em caso de perigo concreto”, garante a secretária de Estado Isabel Oneto, em entrevista ao Público – ultrapassa o que é admissível, viola princípios e privacidade pessoal e segredo profissional. E a democracia também depende disto. Mas, face ao que aconteceu em Barcelona e hoje na Finlândia, há alternativa?

Sim, é um mal necessário, vamos a caminho de um Estado securitário. Onde vamos parar? Permitiremos a invasão do Estado nas nossas vidas até onde? Não sei. Sei que estamos a viver uma guerra e em guerras usam-se regimes de exceção para protegermos os nossos, os que defendem a liberdade, a Democracia, a justiça feita nos tribunais, a separação de poderes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É preciso fazer (mais) alguma coisa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião