Fenómenos estranhos. E por cá, tudo normal?

Houve os tempos do @dietprada, “fashion’s most powerful critic”, escreveu o Financial Times. Os tempos agora são das @checking_invoices. Já por cá, são de ModaLisboa.

Houve os tempos do @dietprada, “fashion’s most powerful critic”, escreveu o Financial Times. O duo que se manteve anónimo durante algum tempo e que na página do Instagram ia mostrando “as cópias” na indústria da moda. E havia de tudo. Como ainda há de tudo.

Verdadeiros “watchdogs”, com milhares de seguidores e com o respeito dos grandes senhores da indústria. Os post mostram, lado a lado, fotografias originais de designers e peças que parecem autênticos copycats. Sempre com criatividade, humor e crítica na mesma dose. O anonimato foi quebrado com uma entrevista e hoje sabe-se que os rostos da conta pertencem a Tony Liu e Lindsey Schuyler. Grande parte do sucesso vem de uma estratégia que os posiciona como outsiders, uma espécie de ponte entre a indústria propriamente dita e os entusiastas pela moda, que gera conversa, debate – fundamentais na era digital, e que traz uma certa forma de estar inclusiva a uma indústria que sempre se moveu pelo fascínio da primeira fila.

Os tempos agora são das @checking_invoices, outro duo anónimo no Instagram e na vida real, ou como a Vogue já escreveu a “Masked Instagram Account That Makes Fashion Fun Again”. Cada post partilhado mostra os autores da página mascarados, sempre “glammed-up runway”, e em tarefas diárias como… ir às compras. E sim, com milhares de seguidores. A diferença é que também é assim que se apresentam nas primeiras filas das grandes semanas de moda.

O que se sabe para além do que partilham? Que são duas roommates gregas a viver em Milão, uma stylist e uma modelo (com equipa própria de fotógrafo e diretor de moda). E já são convidadas para campanhas digitais e instagramáveis, o lugar onde melhor vive este tipo de comunicação. Uma forma de se sobressair numa blogosfera de moda saturada, e num mundo também saturado da exposição no social media, onde se reclama privacidade. Fenómenos estranhos? Diríamos que a moda também vive desta criatividade ou excentricidade.

Já por cá, os tempos são de ModaLisboa. E para já, tudo normal. Sabemos que temos na cidade a It Girl @evageraldine. O mote é Collective, a pluralidade numa única palavra, porque moda é futuro e o futuro quer-se coletivo. E informado. Nos últimos meses a Augusto Mateus & Associados (EY Parthenon) trabalhou no estudo Novas Tendências da Moda – procurando conhecer os consumidores contemporâneos, o impacto da inovação e da digitalização no aparecimento até de novos modelos de negócio.

A conclusão é que está em curso uma mudança de paradigma nas indústrias da moda, que se repercute na criação e implementação de novos modelos de negócios, focados na concessão de experiências únicas e diferenciadas aos consumidores contemporâneos. Que mensagem fica para as marcas portuguesas? Que o lado da procura está a ser influenciado pela intensificação da urbanização, pelas cidades e pelo crescimento das economias emergentes – com consumidores mais exigentes, que querem respostas rápidas e experiências customizadas, de marcas transparentes e sustentáveis. Depois de os canais digitais terem alterado os padrões quer de compra, quer de comunicação (exigindo-se uma uniformização entre o online e o offline), no dicionário da moda nacional entra definitivamente o termo: budget consciousness.

Com o paradigma a mudar, a aposta das marcas deve passar pela inteligência artificial, sugere o estudo, e aquisição ou parcerias com start-ups ou empresas tecnológicas, com investimentos na automação da produção e na deslocalização para os centros de consumo. E para os novos designers e gestores de marcas fica o conselho: a abordagem ao mercado deve ser centrada nas novas tecnologias, na comunicação e na comercialização, especialmente no segmento affordable luxury. Ideias para que a moda portuguesa Go Global. E deixe de ser um fenómeno estranho nos mercados internacionais.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fenómenos estranhos. E por cá, tudo normal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião