Novo Banco: um negócio que tinha de ser

O NB era uma batata quente da qual quer o Banco de Portugal quer o Governo estavam desejosos de se verem livres. O negócio, está visto, tinha mesmo de ser fechado – desse por onde desse.

Foi há dias concluída a venda do Novo Banco (NB) ao Lone Star. Tratando-se de um assunto sobre o qual escrevi em diversas ocasiões, há que lhe dedicar um último texto. Começo assim por dizer o seguinte: confirmou-se o que aqui havia escrito a 5 de Abril, ou seja, que o negócio não se iria concretizar nos termos anunciados uns dias antes (a 31 de Março). De facto, o negócio final acabou por ser diferente daquele que inicialmente foi anunciado. Também é facto que, ao contrário do que então escrevi, os termos do negócio não ruíram. Simplesmente foram sendo reescritos à medida que se foi aproximando a data da sua concretização final. No final, fica a ideia de que o Estado se deixou enredar numa negociação que foi durando, tendo terminado apenas horas antes do closing final. E, sobretudo, fica a ideia de que esta transacção tinha mesmo de acontecer – desse por onde desse.

Ora, os termos divulgados a 31 de Março condicionavam a venda do NB ao Lone Star à concretização de uma reestruturação de dívida que permitisse uma poupança de 500 milhões de euros. Esta reestruturação de dívida, um exercício de gestão de passivos conforme lhe chamou o Banco de Portugal, decorreria através de uma troca voluntária de obrigações. Os termos iniciais do negócio também incluíam uma garantia do Fundo de Resolução ao Lone Star na forma de uma solução de capital contingente de 3,9 mil milhões de euros. Esta garantia permitiria acomodar eventuais perdas resultantes da venda de activos detidos pelo NB e indesejados pelo Lone Star. A acompanhar tudo isto, o Lone Star injectaria um total de 1000 milhões de euros em troca de 75% do capital do NB. Os restantes 25% do capital permaneceriam na esfera do Fundo de Resolução, abdicando este dos seus direitos de voto. Em resumo, foram estes os termos anunciados a 31 de Março e foi com base nestas condições que o negócio foi ganho pelo Lone Star face às propostas concorrentes.

De então para cá várias coisas mudaram.

  • Primeiro, a troca de obrigações antigas por novas obrigações deu lugar a uma troca de obrigações por dinheiro e por depósitos a prazo turbo-bonificados.
  • Segundo, a troca voluntária foi tudo menos voluntária; na realidade foi feita sob a ameaça expressa de uma liquidação como alternativa ao tal exercício de gestão de passivos.
  • Terceiro, dias antes do “closing”, foi anunciado que, em face da necessidade de um reforço adicional de capital, o NB teria de realizar uma emissão de dívida altamente subordinada (a exemplo do que já a CGD havia feito no início do ano; uma emissão que custa à CGD mais de 10% ao ano) e que no limite o Fundo de Resolução tomaria firme a operação (no valor de 400 milhões de euros). Logo nos disseram que estes 400 milhões de euros seriam a abater aos 3,9 mil milhões, mas na prática é mais um custo aliviado ao Lone Star (pela diferença entre a taxa de cupão de mercado associada àquele tipo de emissão e o cupão mais baixo que eventualmente acabará por ser pago ao Fundo de Resolução; sem esquecer o elevado grau de subordinação da própria emissão).

O NB era uma batata quente da qual quer o Banco de Portugal quer o Governo estavam desejosos de se verem livres. O negócio, está visto, tinha mesmo de ser fechado – desse por onde desse. E assim sucedeu. Não por acaso, no dia de oficialização do negócio toda a administração do Banco de Portugal compareceu à cerimónia. É certo que o representante do Lone Star, sozinho, dava ele próprio (fisicamente falando) para três dos nossos, mas não havia necessidade. Ao mesmo tempo, no Ministério das Finanças, também se deve ter respirado de alívio.

Devo dizer que não é minha intenção desvalorizar quem quer que seja. A equipa liderada por Sérgio Monteiro merece uma palavra de agradecimento por ter concluído uma negociação que, provavelmente, a larga maioria não teria concluído melhor. Mas o resultado final está longe de ser o melhor.

De resto, não tivesse a banca sido aplacada com a extensão (até ao ano de 2046) do prazo de reembolso do empréstimo do Tesouro ao Fundo de Resolução, para o qual contribui, e talvez tivesse sido mais difícil a utilização do Fundo de Resolução a fim de aplacar todo e qualquer obstáculo. Mas agora o negócio está feito, com o beneplácito daqueles que tinham motivos para se lhe opor – os bancos do sistema financeiro nacional.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: um negócio que tinha de ser

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião