No passa culpas do 5G, perdemos todos

Seria de esperar que operadoras e Anacom colaborassem num processo tão complexo como é o do 5G. Ao invés disso, nunca foi tão grande a divergência entre as empresas e o regulador do setor.

A médio prazo, o 5G será crítico para a competitividade do país. Não é só a velocidade, bem mais rápida do que a do 4G. É também a capacidade de termos uma quantidade muito maior de dispositivos ligados à rede. Ou de os nossos automóveis poderem “falar” uns com os outros, evitando acidentes.

Conhecemos bem a rede 4G que temos nos nossos telemóveis. Permite-nos assistir a filmes em alta definição, fazer videochamadas para o outro lado do mundo e estarmos sempre ligados. Mas o que faríamos se tivéssemos dados móveis ilimitados? Esta questão faz brilhar os olhos de alguns. É básica, mas mostra bem o facto de o potencial do 4G ainda não estar totalmente explorado.

Para as operadoras, o 5G é uma pressão acrescida. Lançar o 4G custou dinheiro. Muito dinheiro. Nem dez anos passaram e vão ter de voltar a desembolsar milhões para comprar as novas licenças para o 5G. Este é o sentimento predominante das operadoras… em privado.

Em público, acusam a Anacom de se ter atrasado no processo, algo que o regulador tem vindo a rejeitar. Foi assim a partir do final do ano passado, altura em que se percebeu uma mudança na posição das operadoras: se é para lançar o 5G, que se lance o 5G depressa.

A Anacom quer iniciar o leilão das licenças 5G em abril de 2020, incluindo uma parte do espetro que está a ser usada pela TDT. A Meo, que gere a TV grátis, diz que o prazo é “impossível” de cumprir e avançou para tribunal.

Bruxelas quer uma cidade em cada país da UE com 5G até ao final de 2020. Com tantas forças em jogo, ninguém pode garantir que Portugal vai cumprir a meta europeia, pelo menos com um mínimo de substância.

Meo, Nos e Vodafone já têm redes de teste a funcionar no país. Uma gota no oceano do 5G, cujo lançamento vai ser muito mais complexo do que ter uma antena em Picoas e outra no Parque das Nações, como demonstrou a Altice Portugal durante o Web Summit.

O mal-estar entre operadoras e Anacom é maior a cada dia, quando deveria ser uma colaboração para um processo que não se avizinha fácil. Em vez do passa culpas que se vê, deveriam estar a discutir como garantir que a rede é segura, ou como assegurar que o 5G não chega só a Lisboa, ao Porto e a uma série de cidades-satélite, mas também a zonas remotas no interior do país.

Mais importante ainda, importa esclarecer como se vai aproveitar a tecnologia depois de ser lançada. São escassos os telemóveis com 5G à venda no mercado e os casos práticos que nos são apresentados – como o dos carros que mencionei no primeiro parágrafo – já têm um travo a cliché.

Se for bem implementado, o 5G vai servir de base para melhorar as nossas vidas com a tecnologia, tornar as fábricas mais produtivas e as cidades mais inteligentes. Mas o passa culpas a que assistimos não beneficia ninguém. Nem o setor, nem nós, os consumidores.

Subscreva aqui a newsletter de Tecnologia do ECO.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

No passa culpas do 5G, perdemos todos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião